Início Variedades

2ª turma de agentes para pilotar e operar drones em ações de segurança no Pará é formada pelo Graesp

Imagem: Graesp

A Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social do Pará (Segup), por meio do Grupamento Aéreo de Segurança Pública (Graesp), realizou na manhã da última segunda-feira (27), a solenidade de formatura de 41 agentes de segurança que participaram da segunda turma de capacitação para a utilização estratégica de Aeronave Remotamente Pilotada (Drone), para práticas durante atuação dos órgãos do Sistema Estadual de Segurança Pública do Pará (Sieds). A solenidade foi realizada na sede do Graesp, em Belém. 

O secretário de Segurança Pública e Defesa Social em exercício, delegado André Costa, presidiu o ato e reforçou a satisfação em prestigiar mais uma turma de agentes, concluindo mais uma formação para uma atuação ainda mais aprimorada nas ações de segurança desenvolvidas no Pará. 

Na atual gestão, nosso secretário Ualame sempre enfatiza a importância da aplicação do tripé na segurança pública, que são os três ‘Is’ – Integração, Investimentos e Inteligência, o que é demonstrado nesse curso, onde identificamos essa aplicabilidade nos investimentos em qualificação para que os agentes possam adquirir ainda mais conhecimento e técnica. Sabemos que o RPA, conhecido como drone, é uma ferramenta que pode ser utilizada de acordo com as funções de cada agente dentro de suas instituições, pois para nós é necessário que se utilize todas as ferramentas de tecnologia disponíveis no mercado em prol de avançarmos cada vez mais na segurança pública. Nós reconhecemos a necessidade de aprimoramento e de que todos levem para cada instituição a mensagem da busca por conhecimento, seja pelas Polícias Militar e Civil na parte operacional tática e do Corpo de Bombeiros Militar no combate a incêndio e salvamento, então acredito que aqui temos profissionais muito bem preparados, que irão oferecer o melhor serviço à segurança pública de nosso Estado para que juntos possamos continuar combatendo a criminalidade. Portanto, parabéns a todos!”, disse André Costa.

O curso de piloto e operador de drone, teve início no último dia 13 e finalizou com aulas práticas na sexta-feira (24), totalizando 60 horas aulas, sendo práticas e teóricas. As aulas teóricas ocorreram no auditório do Graesp, e abordaram temáticas como legislação, metodologia, conhecimento técnico e aeronáutico e geoprocessamento, todos aplicados ao drone. Enquanto que, nas aulas práticas, realizadas no Clube Aeronáutico, em Outeiro, foram desenvolvidas habilidades sobre os tipos de voos com treinamento adequado e conhecimento de equipamento; aperfeiçoamento de voo, voo noturno e geoprocessamento no voo. 

Nós estamos sempre ampliando as qualificações e integrando os agentes do Estado, a exemplo desse curso que nos possibilita operar essa tecnologia nas ações de segurança pública, visto a dimensão do nosso Estado, e com ocorrências diversas, inclusive diante de situações de roubo a banco. Na prática, vivenciamos uma situação assim em Viseu, onde utilizamos o drone para localizar envolvidos no crime que estavam homiziados na mata, e conseguimos identificar o local para que os agentes entrassem em campo, então isso demonstra a importância do manuseio qualificado. Esperamos que a partir daqui, todos possam utilizar e multiplicar as ações a partir dos conhecimentos adquiridos. Parabéns a todos que se empenharam nesse curso”, enfatizou o coronel Armando Gonçalves, diretor do Graesp. 

Para um dos instrutores e coordenador do curso, tenente-coronel Alessandre Francês, o campo para atuação com drones na área de segurança é extenso e tende a crescer ainda mais. “Nós já podemos utilizar o drone em busca e auxílio a salvamento, assim como dentro de um policiamento ostensivo, no dia a dia; utilizamos também em locais de crime, a exemplo do trabalho de periciais; em áreas de risco, mapeamento de inteligência, dentre outras possibilidades que abrangem o campo da segurança pública. Portanto, garantir a capacitação dos agentes é essencial para uma melhor atuação”, afirmou.

A turma concluinte foi formada por agentes da Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social do Pará (Segup), Grupamento Áereo de Segurança Pública (Graesp), Polícia Militar do Pará (PMPA), Polícia Civil (PCPA), Polícia Científica (PCEPA), Corpo de Bombeiros Militar (CBMPA), Força Aérea Brasileira, Marinha do Brasil, e ainda Polícia Militar do Amazonas.

Segundo o 3º sargento da Polícia Militar, Jefferson Valente, a busca por conhecimento não pode cessar. Para ele, após ter feito parte da primeira turma em dezembro de 2022, houve a necessidade de integrar também essa turma, pois houve um aprimoramento, tanto na questão teórica em sala de aula, como também na operacionalidade. 

Então, ingressei novamente nessa turma, onde nós tivemos mais tempo para ter acesso ao geoprocessamento, que é onde o drone faz o voo, onde nós já conseguimos delimitar os pontos necessários para mapear um terreno. Então o equipamento faz um voo automático, bate as fotos, e após o retorno dele a gente pega essas imagens e faz um geoprocessamento no computador para fazer levantamento de terreno. Nós tivemos duas semanas de curso, o que vem facilitar a praticidade para os alunos, onde todos estão capacitados e, com isso, o Estado está mais preparado com novos operadores de drones, a fim de ajudar na busca, salvamento e policiamento. Eu já utilizo o drone desde janeiro deste ano na área do CPRM, principalmente em operações onde pessoas homiziadas se encontram no mato. Outra situação é quando tem operações onde existem denúncias em determinado local, hoje em dia já não precisa mais as guarnições adentrarem. Primeiramente a gente utiliza o drone, faz a varredura do local e se tiver algo que a gente possa determinar que existe pessoas ali, aí nós teremos o apoio da guarnição pessoal, o humano físico, vamos dizer assim. Porém, quando o drone faz a varredura que nós não constatamos nada, já não precisa mais perder esse tempo adentrando esse terreno, e assim iniciamos outras ações”, afirmou o concluinte do curso.

Informações do Governo do Pará

Leia mais:

Sair da versão mobile