Início Empresas Aéreas A surpresa de voar no Boeing 737 MAX da Gol Linhas Aéreas

A surpresa de voar no Boeing 737 MAX da Gol Linhas Aéreas

Como leitor do AEROIN, você talvez tenha acompanhado no início do mês de dezembro a matéria que fizemos sobre a evolução da utilização de aviões pela Polícia Federal (PF), após termos sido convidados pela PF a acompanhar o evento de apresentação do primeiro jato Embraer 175 de sua frota.

E eis que, diante da viagem até o Aeroporto de Brasília, onde fica o hangar da PF, tivemos a surpresa de viajar em um Boeing 737 MAX da Gol Linhas Aéreas. “Surpresa” aqui tem dois significados.

O primeiro é que ao reservar a passagem para o voo, partindo do Aeroporto de Viracopos, em Campinas (SP), no dia 7 de dezembro, não esperávamos a oportunidade de experimentar o MAX, afinal, os serviços nesta rota eram, em sua absoluta maioria, efetuados com os Boeings 737-700 e 737-800.

Para exemplificar, na imagem a seguir, da programação de voos da Gol aprovada pela ANAC na rota de Campinas a Brasília, do dia 1º ao dia 11 de dezembro note que o 737 MAX-8, denotado pelo código B38M, foi utilizado pela companhia em um único voo, exatamente no dia 7:

O segundo significado da “surpresa” é que a própria experiência de estar no 737 MAX foi, de fato, uma surpresa, no sentido bom da palavra: positivamente surpreendente, como você acompanha em detalhes nesta matéria.

Mas, primeiro, deixo a quem gosta da visão da “janelinha” um vídeo com bonitas cenas do voo, começando pelo taxiamento em Viracopos, seguindo com a decolagem, o cruzamento de algumas nuvens na subida, o voo sobre as nuvens ao pôr do Sol com a visão da Lua e de Vênus no céu escuro, o pouso em Brasília e o taxiamento até o portão de desembarque.

Acompanhe a gravação a seguir e, abaixo dela, confira a experiência, tanto em relação ao serviço da Gol quanto ao voo no MAX:

Voando com a GOL no Boeing 737 MAX-8

Comecemos o relato da jornada de voar com a Gol Linhas Aéreas no 737 MAX desde a reserva da passagem aérea, para que você acompanhe todos os aspectos da experiência de voo.

Sendo a primeira vez que eu utilizaria os serviços da Gol, acessei o site da companhia como visitante, já que eu ainda não tinha cadastro em seu sistema. Busca realizada, voo escolhido, surge um problema.

Ao tentar passar para a tela de cadastro para prosseguir com a compra, o site não funcionava corretamente. Não avançava para a tela de cadastro, permanecendo na tela de escolha de voo.

A solução foi primeiro fazer meu cadastro, depois logar no site e então procurar novamente o voo já dentro da área logada. Dessa vez, tudo ok até o pagamento e a confirmação da reserva. Fica a sugestão para que a companhia verifique se tal problema continua acontecendo até a presente data, para que seja corrigido.

Boeing 737 MAX-8 da Gol Linhas Aéreas

Check-in antecipado e mais alguns probleminhas

Chegada a véspera da viagem, foi possível realizar o check-in online antecipado. Embora tenha conseguido completar o processo, mais dois pequenos problemas se apresentaram.

O primeiro foi que, durante o preenchimento dos dados do check-in, o campo de telefone do contato de emergência apresentava erro. Ele desconfigurava o número digitado e, com isso, bloqueava a confirmação do check-in.

A única solução foi escolher a opção de “não quero fornecer um contato de emergência”, desativando os campos relacionados e então podendo prosseguir no processo. Ou seja, viajei sem que a companhia tivesse uma pessoa de referência para entrar em contato no caso de uma eventual necessidade.

O segundo problema foi que eu voaria no dia seguinte (7) para Brasília e já retornaria no dia posterior (8), portanto, os dois trechos já estavam disponíveis para o check-in antecipado. Porém, não havia uma opção de confirmar apenas o voo de ida, e manter o voo de retorno pendente até uma confirmação posterior de check-in. O sistema simplesmente apresentava os dois voos, e a única opção era dar o ok aos dois ao mesmo tempo.

Para mim não foi algo prejudicial, mas poderia ser para alguém que pretendesse aguardar até mais próximo do voo de retorno para confirmar.

Portanto, fica também aqui a sugestão de verificação à companhia, para avaliar se ainda continua ocorrendo os erros acima descritos.

Hora de embarcar

Com o check-in feito antecipadamente, e sem malas a despachar devido à curta viagem de apenas um dia, dirigi-me diretamente ao embarque doméstico do Aeroporto de Viracopos.

Com a partida do voo G3-1748 programada para 18h05, por volta das 17h15 eu chegava à área de espera em frente à posição C10 do terminal de Campinas. Um Embraer 195 da Azul havia acabado de ter seus passageiros embarcados e deixou a posição por volta das 17h20.

Pouco depois, às 17h27, o Boeing 737 MAX-8 registrado sob a matrícula PR-XMA chegava de Salvador (BA) pela cabeceira 15 de Viracopos, para assumir o voo até a capital federal. Mais alguns minutos de taxiamento e o jato da Gol encostava às 17h35 na posição C10.

Desembarque dos passageiros de Salvador feito, e por volta das 17h45 foram iniciados os procedimentos de embarque, com 20 minutos de atraso em relação à programação de 17h25.

Neste momento, algum descontentamento foi visto entre parte dos passageiros, já que a companhia decidiu primeiro convocar aqueles que desejavam despachar alguma bagagem ali no embarque. Foram mais 15 minutos de espera até que o embarque padrão finalmente começasse às 18h00.

O Boeing 737 MAX e o voo

Por volta das 18h12 eu adentrava pela primeira vez no Boeing 737 MAX, um dos muitos que a Gol já opera em sua frota. Enquanto aguardava a conclusão do embarque, comecei a observar as características do interior da aeronave.

Visualmente, a iluminação suave em luzes de LED, naquele momento em coloração branca nas laterais e azul no teto, passava um ar de maior tranquilidade e conforto do que em aviões com a iluminação padrão. A sensação era completada pelo nítido espaço extra que ganhou a cabine de passageiros nesta nova versão da família 737, resultado da utilização de materiais mais modernos em sistemas, peças e revestimentos, permitindo maiores dimensões internas mesmo sem alteração do diâmetro externo da fuselagem.

Os bagageiros superiores, os chamados bins, são outra consequência positiva das maiores dimensões interiores. Eles se tornaram tão espaçosos que as malas de mão acomodam-se facilmente na posição levantada sobre sua lateral, resultando em um ganho significativo de capacidade.

Uma música ambiente tranquila ainda completava a experiência ambiental agradável durante o processo de embarque.

Embora eu não seja uma pessoa com altura significativa para fornecer uma boa referência de espaço para as pernas, com meu 1,78 metro tive uma sobra bem grande em relação à poltrona dianteira, mesmo sem estar completamente afundado contra o encosto de meu assento. Isso é resultado das poltronas mais esbeltas do 737 MAX, também em decorrência do uso de materiais mais modernos.

No jato da geração anterior, o Boeing 737-800 que utilizei no dia seguinte, meus joelhos ficaram praticamente colados à poltrona da frente, portanto, outro ponto positivo para a nova geração MAX.

Uma fonte de alimentação USB para carregamento de dispositivos móveis é disponibilizada no encosto de cada assento, e a mesinha de serviço possui boa dimensão, também como resultado do espaço extra gerado pelas poltronas mais finas.

Hora de voar

Às 18h28, o embarque foi completado, e às 18h33, com quase meia hora de atraso sobre o horário de 18h05 programado para a partida, a aeronave era retirada da posição C10 para iniciar o taxiamento. Às 18h42, o Boeing 737 MAX acelerava a partir da cabeceira 15 de Viracopos.

O nível baixo de ruído a bordo é mais um ponto que vale destaque no projeto. Não apenas em relação ao som do motor neste momento da aceleração de decolagem e da movimentação do trem de pouso, bastante suaves, mas até mesmo antes, ainda durante os procedimentos de preparação da aeronave em solo. Quase não existem todos aqueles ruídos geralmente ouvidos em aviões de gerações anteriores, quando sistemas são acionados, como bombas hidráulicas ou sistemas mecânicos.

Durante o voo, ainda em função das restrições sanitárias devido à pandemia, o serviço de bordo era limitado apenas ao fornecimento de copos de água. Apesar disso, a equipe de comissários da Gol merece elogios. Cada vez que um passageiro acionava o sinal sobre seu assento para solicitar a água, em pouco tempo um tripulante era visto se apresentando, não apenas com um, mas com três ou quatro copos, fornecendo ao passageiro que pediu e a outros mais que eventualmente quisessem aproveitar a oportunidade.

O único ponto negativo dos serviços oferecidos é a internet paga, enquanto a concorrência já oferece este serviço gratuitamente. Mas, com as tarifas consideravelmente mais baratas para o trecho e um voo de menos de 90 minutos, e com TV, filmes, séries e outros gratuitos em dispositivos móveis através do wi-fi, não há do que se reclamar.

Menos de uma hora após a decolagem, às 19h30 o Boeing 737 MAX-8 era colocado em descida, e logo o comandante anunciava a previsão de pouso para 20h05 e a presença de céu limpo no destino.

Às 20h00, já estávamos em solo no Aeroporto Internacional Presidente Juscelino Kubitschek, na capital federal e, em mais alguns minutos, o PR-XMA encostava na posição 14 do terminal.

O desembarque ocorreu por conjuntos de fileiras, como tem sido padrão durante os tempos de pandemia, para reduzir aglomerações. Em minha opinião pessoal, um método que poderia perdurar após a pandemia, por ser bem mais organizado e eficiente do que a tradicional bagunça de dezenas de pessoas disputando quem consegue sair primeiro.

Portanto, em resumo, pontos muito positivos para a experiência de voar no Boeing 737 MAX e para o atendimento dos tripulantes, e pontos negativos para aspectos dos serviços prestados pela Gol ao cliente, possivelmente ainda como consequência da conturbada troca de sistema promovida pela companhia neste final de 2021.

E por fim, a respeito de voar em um avião que sofreu dois acidentes fatais e passou cerca de dois anos proibido de decolar, muitas pessoas me perguntaram se não fiquei com medo. Minha resposta foi e continua sendo negativa. Estando diretamente em contato com a aviação, o sentimento foi de tranquilidade e confiança após acompanhar todo o longo e rigoroso processo de avaliação e correção dos problemas do modelo.