Início Mercado

Aéreas são desafiadas a fazer o primeiro voo transatlântico zero emissão até 2023

O governo britânico lançou um desafio para a indústria da aviação para completar o primeiro voo zero emissão através do Atlântico até o final de 2023. As companhias aéreas estão sendo convidadas a registrar seu interesse até 12 de junho para se candidatar à chance de receber até £ 1 milhão do Departamento de Transportes do Reino Unido para apoiar os custos de testes, pesquisa e pessoal, que tornarão realidade o voo net-zero.

O voo inovador entre o Reino Unido e os EUA seria movido a 100% de combustível de aviação sustentável (SAF) – feito de materiais residuais, como óleo de cozinha usado, lixo doméstico e comercial de sacos pretos e gases de combustão.

Em um artigo para o The Telegraph, o secretário de transporte britânico Grant Shapps disse: “Devemos agir agora para garantir que voar possa apoiar nossas ambições de combater as mudanças climáticas. É por isso que, à medida que a demanda de passageiros e o setor de aviação continua se recuperando após a pandemia, não estamos apenas voltando ao normal. Em vez disso, estou comprometido em construir uma indústria de combustível de aviação sustentável líder mundial no Reino Unido, melhorando a segurança do combustível e entregando milhares de empregos verdes em todo o Reino Unido.”

Imagem: Gazpromneft-Aero

A iniciativa foi estabelecida pelo Jet Zero Council, uma parceria entre a indústria da aviação e o governo britânico, que foi criada para apoiar a indústria aérea na entrega de emissões líquidas zero até 2050 – e o governo estabeleceu uma meta inicial para todas as companhias aéreas usarem 10% SAF até 2030.

O Tesouro do Reino Unido forneceu £ 180 milhões para financiar novas fábricas de SAF, e estima-se que uma indústria britânica de combustível de aviação sustentável possa ser extremamente valiosa para a economia local, apoiando até 5.200 empregos diretos e um volume de negócios potencial de £ 2,3 bilhões até 2040.

Atualmente, a quantidade de SAF que pode alimentar voos é limitada a 50% devido às especificações do combustível de aviação, mas isso já reduz as emissões de gases de efeito estufa de um avião em 35%. O próximo passo é que os cientistas da indústria desenvolvam combustível que permita que os aviões voem com 100% de SAF, reduzindo as emissões em 70%.

Para atingir zero emissões extraindo todos os gases de efeito estufa, a indústria da aviação precisa encontrar uma solução para descarbonizar os 30% restantes das emissões.

Managing Director - MBA em Finanças pela FGV-SP, estudioso de temas relacionados com a aviação e marketing aeronáutico há duas décadas. Grande vivência internacional e larga experiência em Data Analytics.