Aeronave voa sobre a Ucrânia com um xingamento ao presidente russo, Vladimir Putin

Uma aeronave remotamente pilotada (VANT ou drone) foi vista em voo sobre o território ucraniano carregando uma mensagem ao presidente da Federação Russa, Vladimir Putin. Os “dizeres”, aparentes nas plataformas de rastreamento de voos (ver imagem abaixo), levavam um xingamento ao mandatário russo.

O drone do modelo Bayraktar TB2, um dos equipamentos mais célebres da guerra entre Rússia e Ucrânia, fez o voo entre as cidades de Kherson e Mykolaiv. Segundo dados, o equipamento voltava de uma missão quando pôde ser visto no radar brevemente com a ID do voo “FCKPTN2”, que poderia ser traduzido num xingamento a Putin: “F*ck Putin”.

O Bayraktar TB2 é um drone de vigilância e ataque desenvolvido pela empresa turca Bayraktar Makina ve Havacilik Sanayi A.Ş. Ele foi projetado como um veículo aéreo não tripulado (VANT) de alta performance, capaz de executar missões de vigilância, vigilância de fronteira, vigilância marítima, vigilância de áreas remotas, reconhecimento de alvos, ataque de alvos e muito mais.

A aeronave é equipada com uma câmera de alta definição, sensores de radar e câmeras térmicas, além de um sistema de navegação avançado. Ele também pode ser equipado com minas de fragmentação, bombas guiadas e mísseis guiados. Os sistemas de armas do Bayraktar TB2 são controlados remotamente pelo operador VANT. O Bayraktar TB2 é um dos drones mais avançados do mundo, sendo usado por vários países, incluindo a Turquia, Azerbaijão, Qatar e Cazaquistão.

A Ucrânia comprou mais de 20 drones armados Bayraktar TB2 nos últimos anos e encomendou mais 16 no ano passado.

Carlos Ferreira
Carlos Ferreira
Managing Director - MBA em Finanças pela FGV-SP, estudioso de temas relacionados com a aviação e marketing aeronáutico há duas décadas. Grande vivência internacional e larga experiência em Data Analytics.

Veja outras histórias

Reino Unido promete aviões de combate a Zelensky e treinamento para...

0
Em reunião em Londres, o primeiro-ministro Rishi Sunak concordou com o presidente ucraniano sobre um aumento significativo na ajuda militar