Início Aeroportos

Aeroporto Santos Dumont (RJ) não será privatizado por enquanto, diz Ministro

Aeroporto Santos Dumont Terminal
Imagem: Rodrigo Soldon Souza / CC BY-ND 2.0 , via Flickr

O ministro de Portos e Aeroportos, Márcio França, que já havia dito que sua prioridade são os aeroportos administrados pela Infraero e os recém devolvidos pela iniciativa privada, afirmou em um evento na cidade de Santos, litoral de São Paulo, na semana passada, que o Santos Dumont não deve ser licitado agora.

De acordo com informações repassadas à mídia, o ministro de Lula afirmou que o aeroporto Santos Dumont, no Rio de Janeiro, não deve ser leiloado neste momento, e que resolver as questões entorno do aeroporto Tom Jobim, o Galeão, é prioridade: “há outras alternativas (sem ser a privatização) em pauta e o Ministério está estudando a melhor maneira de resolver”.

Leilão do Santos Dumont incluído em um bloco

Anteriormente, havia a expectativa e a previsão de que haveria um leilão em bloco dos aeroportos da “Cidade Maravilhosa”, Santos Dumont e Galeão, agora no ano de 2023,no segundo semestre, como anteriormente anunciado pelo ex-ministro da Infraestrutura e atual Governador de São Paulo, Tarcísio Gomes de Freitas. Na época, Freitas havia dito que não havia sentido em seguir com a concessão do Santos Dumont de maneira individual, levando em consideração a devolução do Galeão pela atual administração.

Agenda com o prefeito Eduardo Paes

Assim como informado pelo AEROIN, com o objetivo de diálogo e de “outras alternativas” sem ser a privatização do aeroporto do Galeão, o ministro Márcio França, junto à outras autoridades do Governo Federal e do executivo carioca, como a ministra do Turismo, Daniela Carneiro; o presidente da Embratur, Marcelo Freixo; o prefeito do Rio, Eduardo Paes, entre outros, se reuniram para discutir o futuro do terminal aéreo, sem ser a relicitação, colocando em conta que a atual administradora, o consórcio Changi Airport e Novonor, renunciou à União o aeroporto.

Algumas das soluções colocadas pelas autoridades foram a análise da possibilidade de desfazer este processo, ou até colocar a Infraero para assumir o controle do Tom Jobim. O assunto, no entanto, ainda segue em aberto.

Leia mais: