Airbus, Shell e RR pedem mais ambição no setor para levar voos longos ao carbono zero

photo of airplane across the clouds during night time
Foto de SevenStorm JUHASZIMRUS via Pexels.com

Faltando apenas algumas semanas para a conferência climática COP26, Rolls-Royce, Airbus e Shell estão pedindo mais ambição e colaboração em todo o setor de aviação e com os governos para permitir a transição da aviação de longa distância para o zero líquido em carbono antes das metas estabelecidas pela “Corrida para o Zero”, da ONU

À medida que as tecnologias estão sendo implementadas, o foco deve estar na infraestrutura, no investimento e nas estruturas de políticas necessárias para apoiar a ampliação e o uso de combustíveis de aviação sustentáveis ​​(SAF).

Sob as metas “Race to Zero”, da ONU, o atual foco da descarbonização da aviação é atingir um mínimo de 10% de uso de SAF até 2030, com a proporção atingindo 100% antes de 2050. Rolls-Royce, Airbus e Shell estão investindo na tecnologia que pode permitir que isso aconteça mais cedo:

– A Rolls-Royce anunciou que até 2023 todos os seus motores ‘Trent’, usados ​​em uma variedade de aeronaves de longo curso, serão compatíveis com 100% SAF. Isso se baseia em seu compromisso de testar os modelos atualmente em produção e significa que em dois anos a Rolls-Royce provará que a operação com zero carbono líquido é possível com cerca de 40% dos motores de aeronaves de longo curso do mundo.

– Todas as aeronaves da Airbus estão atualmente certificadas para operar com até 50% de mistura de SAF misturado com querosene e a Airbus tem a ambição de obter a certificação de 100% de SAF sem mistura até o final desta década.

– Até 2025, a Shell se comprometeu a produzir 2 milhões de toneladas de SAF por ano. Isso é mais de 10 vezes a quantidade total produzida hoje. Até o final da década, pelo menos 10% das vendas globais de combustível de aviação da Shell serão SAF. A Shell já está construindo uma das maiores fábricas de biocombustíveis da Europa, na Holanda, com início de produção previsto para 2024.

Novas tecnologias totalmente elétricas, híbridas-elétricas e de hidrogênio terão papel na redução do uso de combustíveis fósseis pela indústria da aviação no médio e longo prazo. Para a aviação de longo curso, o desafio da descarbonização é particularmente difícil e o SAF representa um caminho claro para o voo zero líquido em distâncias mais longas. 

Informações conjuntas de Shell, Rolls-Royce e Airbus

Carlos Ferreira
Managing Director - MBA em Finanças pela FGV-SP, estudioso de temas relacionados com a aviação e marketing aeronáutico há duas décadas. Grande vivência internacional e larga experiência em Data Analytics.

Veja outras histórias

Japão recebe jatinho com algo muito diferente na cabine de passageiros;...

0
A Textron Aviation anunciou que entregou um avião Cessna Citation Longitude com uma cabine de passageiros muito diferente dos jatos comuns.