ALTA: Aviação na América Latina deve sentir impacto da queda na atividade econômica global

Durante o mês de novembro de 2022, a América Latina e o Caribe (ALC) permaneceram como a região com o melhor nível de recuperação do mundo. Especificamente, 29,2 milhões de passageiros foram transportados na região, 97% dos passageiros de novembro de 2019. No acumulado de janeiro a novembro, foram transportados cerca de 298 milhões de passageiros, 9,9% abaixo dos níveis de 2019.

Os dados de novembro refletem um progresso significativo na trajetória de recuperação em relação a outubro, quando 92% dos níveis de 2019 foram atingidos. Os números da região ALC superam os da América do Norte, que ficou em 92% de seus níveis de 2019, Oriente Médio 88%, Europa 81%, África com 80% e Sudeste Asiático, a região com a menor recuperação, com 74%.

No que diz respeito ao tráfego internacional de passageiros, a República Dominicana, a Colômbia e o México voltaram a liderar a trajetória na ALC com crescimento de 22%, 17% e 11%, respetivamente. Chile e Argentina atingiram 89% e 78% de seus níveis de 2019, respectivamente.

Quanto ao tráfego doméstico, Colômbia e México alcançaram um crescimento excepcional, superando 13% dos níveis de 2019. A Argentina atingiu 97% e o Chile com 96% dos níveis pré-pandemia. Os RPKs domésticos apresentaram a maior recuperação, com 2,9% acima dos níveis de 2019.

O desafio

Segundo o FMI, o peso dos alimentos na cesta de consumo, que tem sido afetada pela inflação, representa 25% da cesta, por isso é provável que os recursos destinados às viagens possam ser reduzidos nesse cenário de contração econômica. 

No nível operacional, a redução das expectativas de crescimento econômico global, as altas taxas de inflação, a desvalorização das moedas da região em relação ao dólar, um custo muito alto do principal insumo para fornecer o serviço de transporte aéreo que é combustível, entre outros aspectos, afetam significativamente“, afirma José Ricardo Botelho, Diretor Executivo e CEO da ALTA.

Em 2022, os combustíveis mantiveram preços historicamente altos. Em 27 de dezembro, o preço do combustível de aviação atingiu 138% acima de janeiro de 2021, enquanto o preço do petróleo bruto West Texas Intermediate (WTI) atingiu 79%. Este aumento teve impacto no peso do insumo na estrutura de custos das companhias aéreas, passando de representar 28% há um ano para quase 50% no 3º trimestre de 2022.

Embora nos últimos meses tenha caído em relação ao seu pico de US$ 190 (29 de abril de 2022), com US$ 128 (26 de dezembro) representou 50% a mais do que em dezembro de 2021, ressalta Botelho.

2023 tem seus próprios desafios. A potencial queda na demanda por serviços de transporte aéreo causada por uma recessão econômica, misturada aos desafios econômicos para a operação, especialmente inflação, desvalorização e altos custos, podem ser barreiras para a recuperação dessa indústria que em 2022 perdeu US$ 2 bilhões na ALC. 2023 é um ano desafiador, sim. Mas também de imensas oportunidades. Temos diante de nós a oportunidade de fortalecer o trabalho articulado entre autoridades e indústria em favor do passageiro e em favor de uma indústria que gere desenvolvimento. Juntos voamos mais alto!“, diz o diretor executivo da ALTA.

Informações da ALTA

Leia mais:

Juliano Gianotto
Juliano Gianotto
Ativo no Plane Spotting e aficionado pelo mundo aeronáutico, com ênfase em aviação militar, atualmente trabalha no ramo de fotografia profissional.

Veja outras histórias

Rússia anuncia a remoção de mais de 180 aeronaves de registros...

0
Mais de 180 aeronaves da Federação Russa de produção estrangeira foram incluídas no registro russo. Isso foi afirmado em entrevista ao RBC