Antes de ser entregue à FAB, o A330 terá que voar a outro local do mundo para ser pintado

Fotomontagem: FAB

O prazo para que a Azul Linhas Aéreas, vencedora da licitação de número 220004/CABW/2022, entregue o primeiro dos dois Airbus A330 da Força Aérea Brasileira (FAB) é 17 de julho. Como parte do contrato, é necessário que o avião tenha concluído a manutenção (Check C) e pintura nas cores da FAB, mas isso não tem se mostrado uma tarefa simples.

Com a retomada da aviação em todo o mundo, depois que a disseminação do coronavírus diminuiu e as fronteiras foram abertas, milhares de aeronaves estão retornando aos céus, sendo que muitas delas demandam uma preparação especial e manutenções para que voem novamente com segurança. Isso tem enchido os centros de manutenção ao redor do mundo e dificultado a vida de quem precisa de um trabalho “a toque de caixa”, como é o caso da Azul.

Manutenção na Jordânia, mas pintura não

Por conta desse cenário, a Azul não conseguiu slots em oficinas próximas (na América Latina, do Norte ou Europa) e, portanto, teve que enviar o avião de marcas PR-AIS (msn 1492), para passar por manutenção nas oficinas da Joramco, em Amã, na Jordânia, o único local com disponibilidade imediata para tal serviço. A “pressa” se justifica porque o primeiro avião deve ser entregue em até 90 dias contados da assinatura do contrato.

O mesmo ocorre com a pintura. Segundo fontes informaram ao AEROIN, a Joramco não tem slot disponível em sua oficina para pintar o A330 da FAB a tempo, fazendo com que a Azul tenha que buscar uma alternativa. Dentre as possibilidades está enviar o avião para Abu Dhabi (Etihad), Bogotá (Avianca) ou Irlanda (IAC).

Por conta disso, é esperado que o avião seja enviado a outro local assim que o Check C estiver concluído, para depois retornar ao Brasil e ser entregue à Força Aérea Brasileira em julho.

Mais da licitação

A empresa Azul S.A. foi declarada vencedora por atender a todos os requisitos do certame, apresentando uma oferta no valor global de aproximadamente US$ 80 milhões, o equivalente a R$ 375 milhões de reais, na cotação atual. O processo foi encerrado no último dia 7 de abril.

A aquisição tem como objetivo suprir as carências operacionais da FAB em ações estratégicas, como Reabastecimento em Voo (REVO), Transporte Aéreo Logístico (de cargas e passageiros) e Ajuda Humanitária. Em situações de calamidade pública, como desastres naturais, pandemias ou emergências médicas, o avião pode, também, realizar missões de Evacuação Aeromédica (EVAM) de grande número de pacientes.

A segunda aeronave, a ser entregue até outubro, será o MSN 1508, que no passado operou como PR-OCK na Avianca Brasil e foi agora adquirida pela Azul no mercado internacional para ser ofertada para a licitação.

Ambos os equipamentos, que já estão com suas matrículas definidas (FAB 2901 e FAB 2902), receberão o designativo KC-30 e serão operadas pelo Segundo Esquadrão do Segundo Grupo de Transporte (2º/2º GT) – Esquadrão Corsário, sediado na Base Aérea do Galeão (BAGL), no Rio de Janeiro (RJ).

Carlos Ferreira
Managing Director - MBA em Finanças pela FGV-SP, estudioso de temas relacionados com a aviação e marketing aeronáutico há duas décadas. Grande vivência internacional e larga experiência em Data Analytics.

Veja outras histórias