Anunciada a 1ª cidade do Nordeste a ter entrega aérea de comida

Imagem: Speedbird Aero / iFood

O iFood será a primeira empresa a levar entregas de delivery por meio de drones ao Nordeste, com início pela capital do Sergipe, a cidade de Aracaju.

Serão realizados diariamente voos de drones com mais uma inovação: a entrega intermunicipal, com o diferencial de atravessar o rio Sergipe, ligando a capital do estado ao município de Barra dos Coqueiros. Saindo do shopping Riomar Aracaju, o serviço transforma uma rota que varia de 25 a 55 minutos por via terrestre em apenas 5 minutos e 20 segundos pelo ar. O projeto acontece em parceria com a empresa Speedbird Aero, responsável por fornecer e operar as aeronaves não tripuladas.

“Uma entrega realizada por drone leva muito mais que inovação, ela também amplia as possibilidades de alcance do delivery, como neste caso de Aracaju. Escolhemos a cidade – a primeira do Nordeste – para testar novos modelos e promover uma nova experiência aos clientes da região. Além disso, foi fundamental a parceria com o governo local e com parlamentares que são entusiastas do desenvolvimento da inovação no local. Nosso objetivo é aumentar a eficiência das entregas para todos: consumidores, restaurantes e entregadores, além de levar soluções tecnológicas e alternativas para o delivery em modais não poluentes”, comenta Fernando Martins, head de logística e inovação no iFood.

Como são as entregas por drones?

As entregas por drone acontecem em aeronaves específicas e destinadas para esta finalidade. O voo ocorre em um percurso pré-estabelecido – de um ponto de decolagem e pouso do equipamento, reduzindo em média 70% do tempo total nas rotas. A partir do ponto de retirada do droneport, o entregador segue nos modais tradicionais (moto, bicicleta ou patinete) e transporta até a casa dos clientes.

A operação dos drones é gerenciada pela Speedbird Aero, parceira do iFood e primeira empresa brasileira a desenvolver e operar entregas com drones na América Latina.

“As aeronaves não tripuladas estão sendo cada vez mais utilizadas na logística de entrega de produtos em alguns países do mundo – e o Brasil tem desempenhado um papel disruptivo. É uma evolução constante, trazendo não só mais segurança, eficácia, e redução de tempo, mas também contribuindo na redução da emissão de CO2”, destaca Manoel Coelho, CEO da Speedbird Aero.

Informações da Assessoria de Imprensa

Murilo Basseto
Murilo Bassetohttp://aeroin.net
Formado em Engenharia Mecânica e com Pós-Graduação em Engenharia de Manutenção Aeronáutica, possui mais de 6 anos de experiência na área controle técnico de manutenção aeronáutica.

Veja outras histórias

Programa de investimentos em aeródromos é prorrogado pelo governo de MT...

0
Programa Mais MT Aeródromos Públicos estava previsto para encerrar neste mês de fevereiro e foi estendido pelo governo estadual.