Ao ‘dar uma palhinha’, Boeing avisa que o novo avião ecoDemonstrador está chegando

O novo ecoDemonstrador, em cena do vídeo apresentado nesta matéria

Desde 2012, oito aviões serviram como bancos de testes voadores para o programa ecoDemonstrador (ecoDemonstrator) da Boeing, que tem como objetivo acelera a inovação ao retirar tecnologias promissoras do laboratório e testá-las no ar, para resolver desafios do mundo real para companhias aéreas, passageiros e meio ambiente.

Na sequência de aeronaves, até mesmo um E-Jet E170 foi usado durante parceria com a Embraer a partir de 2016, enquanto os demais foram todos modelos da própria Boeing.

E nesta terça-feira, 7 de junho, a fabricante norte-americana divulgou um vídeo mostrando que o nono integrante do projeto está prestes a voar.

As imagens a seguir dão uma palhinha de como será a pintura e de qual o modelo utilizado, mas nem dá uma visão da aeronave por completo, embora já apresente praticamente toda a pintura, incluindo a comemoração dos 10 anos do projeto, estampada nos motores.

A aeronave vista nas cenas acima, o Boeing 777-200 de matrícula N861BC, fabricado em 2002 e que já voou na Singapore Airlines, Air New Zealand e Surinam Airways, dará sequência aos seguintes modelos e tecnologias desses 10 anos do projeto ecoDemonstrador:

2012

Boeing 737-800 NG entregue à American Airlines – 14 projetos

• Desempenho aerodinâmico do winglet de tecnologia avançada do 737 MAX;
• Bocal do fan de área variável para otimizar a eficiência do motor;
• Controle ativo de vibração do motor;
• Célula de combustível de hidrogênio regenerativo para energia elétrica de aeronaves;
• Otimização da trajetória de voo para eficiência operacional;
• Tapete feito de materiais reciclados;
• Combustível de aviação sustentável.

2014

Boeing 787-8 Dreamliner de propriedade da Boeing – 35 projetos

• Eficiência de combustível e menor pegada de ruído:
– Melhorias aerodinâmicas e de controle de voo;
– Revestimentos avançados das asas para reduzir o acúmulo de gelo;
– Aplicativos de software e tecnologias de conectividade que podem melhorar o
planejamento de voo, otimização de carga de combustível, programação de rotas em voo e pouso.

• O sistema Airborne Spacing for Terminal Arrival Routes (ASTAR) ajuda a alcançar
espaçamento preciso entre aeronaves durante as aproximações (em cooperação com a NASA);

• Melhorias na conectividade do avião:
– Telas sensíveis ao toque na cabine de comando;
– Sensores sem fio que podem reduzir a fiação, reduzindo o peso e economizando combustível;
– Portas de acesso da seção externa da asa feitas de fibra de carbono reciclada do Boeing 787.

• Histórico primeiro voo usando diesel renovável, combustível sustentável amplamente disponível em transporte terrestre.

2015

Boeing 757 de propriedade da divisão de financiamento de aeronaves da Stifel – 20 projetos

• Designes de asa robustos que permitem fluxo laminar natural e eficiência aerodinâmica aprimorada:
– Escudo Krueger para proteger o bordo de ataque da asa de insetos;
– Revestimentos “inseto-fóbicos” que podem reduzir o arrasto ao evitar resíduos de insetos (em cooperação com a NASA);

• Controle de fluxo ativo para melhorar o fluxo de ar sobre o leme, para melhorar potencialmente sua eficiência aerodinâmica em mais de 15% e permitir uma cauda vertical menor em projeto futuro (em cooperação com a NASA);

• Utilizou uma mistura de 5% de diesel renovável para apoiar os esforços contínuos da indústria para aprovar este combustível sustentável para a aviação comercial;

• Desmontou e reciclou o 757 usando as melhores práticas ambientais. Cerca de 90% do avião foi reutilizado ou reciclado (em cooperação com Stifel, Associação de Reciclagem de Frota de Aeronaves e uma empresa de demolição de aviões).

2016

Embraer E170 de propriedade da Embraer – 6 projetos

• A pintura anti-gelo melhora a segurança e reduz o arrasto;
• Medição sem fio do fluxo de ar sobre a superfície da asa (camada limite);
• Preenchimentos de slat de asa que reduzem o ruído;
• Sistema de medição de dados aéreos usando distância e alcance de luz (LiDAR);
• Combustível de aviação sustentável proveniente da cana-de-açúcar brasileira.

2018

Boeing 777 Cargueiro de propriedade da FedEx Express – 37 projetos

• O Sistema de Conscientização de Colisão de Operações de Superfície (SOCAS) usa sistemas ópticos e sensores de radar no avião para detectar obstáculos (outras aeronaves, veículos terrestres, edifícios);

• O Automated Flight Information Reporting System (AFIRS) da FLYHT Aerospace Solutions fornece recursos de rastreamento, socorro e transmissão de dados de gravadores de dados de voo; testado em colaboração com a Embraer;

• Vários voos usam combustível de aviação 100% sustentável – o primeiro para um avião comercial – para reduzir as emissões de carbono e avaliar o desempenho;

• Subprodutos de fabricação reaproveitados como materiais de alto valor para acessórios substituindo a liga de titânio (Ti64) com mais de 75% de conteúdo reciclado.

2019

Boeing 777-200 de propriedade da Boeing – 53 projetos

• As ligas com memória de forma desenvolvidas em colaboração com a NASA permitem que os geradores de vórtices se movam com base na temperatura. As pequenas aletas nas asas do avião se levantam durante a decolagem e aterrissagem para melhorar o fluxo de ar e, em seguida, retraem durante o cruzeiro quando não são necessárias, para reduzir o arrasto, melhorar a eficiência do combustível e reduzir as emissões;

• O aplicativo de documentos eletrônicos de voo usa comunicações de última geração para redirecionar automaticamente um avião quando as condições climáticas o justificarem;

• Projeto de eficiência operacional permite que pilotos, controladores de tráfego aéreo e centro de operações de uma companhia aérea compartilhem informações digitais simultaneamente para otimizar as rotas de voo e aumentar a segurança, reduzindo a carga de trabalho e o congestionamento de radiofrequência;

• O lavatório autodesinfetante da Boeing usa luz ultravioleta para desinfetar todas as superfícies, matando 99,9% dos germes em cerca de três segundos após cada uso. O lavatório também inclui um sistema de higienização UV para a torneira da pia e um piso absorvente de umidade feito de material composto de carbono reciclado;

• As cozinhas equipadas com sensores podem ajudar as tripulações de cabine a localizar itens de catering mais rapidamente e permitir que as companhias aéreas gerenciem melhor seu inventário usando análise de dados. Isso pode reduzir significativamente o desperdício – principalmente em voos internacionais, onde as regulamentações exigem o descarte de qualquer alimento remanescente a bordo após a chegada.

2020

Boeing 787-10 de propriedade da Etihad Airways – 9 projetos

• A pesquisa aeroacústica mais abrangente já realizada em um avião comercial em colaboração com a NASA;

• Trem de pouso modificado pela Safran Landing Systems para ser mais silencioso;

• Projeto de eficiência operacional permite que pilotos, controladores de tráfego aéreo e centro de operações de uma companhia aérea compartilhem informações digitais simultaneamente para otimizar as rotas de voo e minimizar a espera no aeroporto de chegada. Isso aumenta a segurança ao reduzir a carga de trabalho e o congestionamento de radiofrequência, minimiza o tempo de voo para a eficiência das companhias aéreas e a satisfação dos passageiros e melhora o uso do espaço aéreo para acomodar o crescimento futuro;

• O bastão ultravioleta portátil desinfeta superfícies de alto toque e difíceis de limpar (como painéis de controle da cabine de comando) para aumentar a segurança dos passageiros e da tripulação.

2021

Boeing 737-9 a ser entregue à Alaska Airlines – 21 projetos

• Identificar a estratégia ideal para usar aviões comerciais para medir as emissões de gases de efeito estufa ajudará a Administração Nacional Oceânica e Atmosférica a melhorar sua modelagem climática e previsões de longo prazo;

• A luz anticolisão de baixo perfil projetada para caber principalmente dentro da fuselagem – coberta com uma tampa de baixo perfil – protege melhor a luz, melhora a confiabilidade da manutenção e reduz o arrasto para melhorar a eficiência do consumo de combustível;

• As paredes laterais internas da cabine feitas de fibra composta de carbono reciclado podem reduzir o ruído e o lixo que vai para os aterros sanitários.

Com informações da Boeing

Murilo Basseto
Murilo Bassetohttp://aeroin.net
Formado em Engenharia Mecânica e com Pós-Graduação em Engenharia de Manutenção Aeronáutica, possui mais de 6 anos de experiência na área controle técnico de manutenção aeronáutica.

Veja outras histórias

Aeroporto abre área para visitantes subirem às alturas mesmo sem entrarem...

0
Visitantes e passageiros podem testar seus limites pessoais em alturas vertiginosas no curso de cordas altas que está instalado no aeroporto.