Apesar da primeira recusa, FAB não desistiu de comprar o Airbus A330 e vai atrás de recursos

Receba essa e outras notícias em seu celular, clique para acessar o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

O projeto de substituição do Boeing 707 na Força Aérea Brasileira (FAB) por um Airbus A330 ou similar não foi totalmente por água abaixo após a recusa do Ministério da Economia de liberar os recursos segundo os termos da primeira solicitação.

Divulgação – Airbus

A negativa por parte do Ministério liderado por Paulo Guedes, que alegou falta de motivação de urgência e poucos recursos para realizar a compra, não desanimou a FAB, que agora irá procurar outros caminhos para adquirir um novo jato, que é esperado há mais de 15 anos.

O chamado Crédito Extraordinário, mencionado na petição, deve ser utilizado em situações extremas, como de calamidade pública ou em guerras, o que, em parte, é a situação que o país enfrenta com a pandemia do Coronavírus, principalmente na necessidade de uma maior capacidade de transporte de enfermos, cilindros de oxigênio e de outros recursos para combater a COVID-19.

Segundo o Brigadeiro Baptista Jr, Comandante-Geral de Apoio (Logística) da FAB, a tentativa de compra solicitada pelo Ministério da Defesa e que foi negada era apenas uma forma de conseguir autorização.

O oficial afirma que “está trabalhando em outras possibilidades orçamentárias para atender esta clara lacuna operacional da FAB e do Brasil”.

Uma possibilidade é a abertura de processo de licitação regular, similar à feita no programa FX-2 para substituição dos caças F-5E Tiger II, o qual o JAS-39 Gripen NG da SAAB foi o escolhido. É um processo mais longo, porém com maior segurança jurídica e financeira, mas que também não está imune a cancelamentos e/ou atrasos. Além disso, é necessário que haja um orçamento dedicado à compra da aeronave.

Até lá a FAB continuará dependendo exclusivamente dos menores KC-390 e do C-130 Hércules para o transporte tático e estratégico:

Carlos Martins
Fascinado por aviões desde 1999, se formou em Aeronáutica estudando na Cal State Long Beach e Western Michigan University. Atualmente é Editor-Chefe no AEROIN, Piloto de Avião, membro da AOPA, com passagem pela Avianca Brasil. #GoBroncos #GoBeach #2A

Veja outras histórias

Diretor-Presidente da Gol Linhas Aéreas, Paulo Kakinoff deixa o cargo após...

0
A GOL Linhas Aéreas anuncia nesta segunda-feira, 16 de maio, a troca de seu Diretor-Presidente, após 10 anos no cargo.