Início Empresas Aéreas Após 4 anos, Avianca recontrata cerca de 100 pilotos que participaram de...

Após 4 anos, Avianca recontrata cerca de 100 pilotos que participaram de greve

Avião Airbus A319 Avianca
Airbus A319 da Avianca

A companhia aérea colombiana Avianca chegou a um acordo com seus pilotos para a reintegração progressiva de cerca de 100 aviadores que deixaram a empresa após a greve do final de 2017.   

“Sem dúvida definimos hoje um marco na nossa história e esta oportunidade é de ouro para começar do zero, para fortalecer o trabalho em equipe e construir a Avianca de que todos precisamos. Nossa intenção é manter o melhor relacionamento com todos os nossos colaboradores, onde prevaleçam os interesses comuns e o bem-estar geral. Estamos confiantes que esta nova era nos permitirá avançar em nosso propósito comum, focar em tornar nosso Plano de Reorganização uma realidade e resolver o que nos distanciou no passado”, disse Adrian Neuhauser, presidente e CEO da Avianca.

Conforme relata nosso parceiro Aviacionline, este acordo inclui também o trabalho conjunto com a Organização dos Aviadores da Avianca, ODEAA, que iniciará conversações para a negociação de um acordo coletivo de trabalho em substituição dos acordos anteriores, no âmbito da sua pretensão de sindicalização.

Ressalta-se que os pilotos que decidirem retornar à companhia aérea o farão nas mesmas condições que foram acertadas em 2020, e terão um robusto programa de treinamento na sua parte técnica, focado nos fatores humanos no ambiente de trabalho.

Por sua vez, Jaime Hernández, presidente da Associação Colombiana de Aviadores Civis ACDAC, expressou a boa vontade dos pilotos em enfrentar os novos desafios da empresa em conjunto com a administração da mesma:

“Os pilotos e a administração da Avianca se dividiram devido às circunstâncias do passado. Eles se unem novamente para manter a Colômbia conectada e abastecida, ao mesmo tempo em que buscam ajudar todos os trabalhadores da empresa. As mesmas metas, os mesmos objetivos e a nova política nos permitiram enfrentar em conjunto as dificuldades colocadas pela pandemia e pela reorganização do Capítulo 11, uma crise que permitiu reconhecer a boa-fé dos aviadores da ACDAC e da nova administração.”

Durante meses, a Avianca conversou com sindicatos e representantes-piloto para chegar a esses acordos e demonstrar sua intenção de trabalhar a favor dessa força de trabalho.

Em 2017, a empresa experimentou a mais longa greve de piloto da história, onde a Câmara do Trabalho do Supremo Tribunal de Justiça ratificou a decisão do Tribunal Superior de Bogotá, de primeira instância, que a declarou ilegal e, portanto, a empresa conseguiu avançar na disciplina interna de processos para os pilotos participantes.

Leia mais:

Sair da versão mobile