Após fracasso no México, jato russo rival do Embraer pode ir para Cuba

Receba essa e outras notícias em seu celular, clique para acessar o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

Pouco mais de um ano após sair de serviço no México, após uma enorme polêmica, os jatos regionais russos Sukhoi Superjet SSJ100 poderão ir para Cuba.

Divulgação – Sukhoi

O jato russo é a última aposta na aviação regional feita pela Sukhoi, mais conhecida por fabricar grandes caças militares. Ele compete na categoria de 80 até 110 assentos, de frente com o Embraer E175 e E190, tanto de primeira e segunda geração (E2).

Apesar de ser um jato russo, a aeronave está recheada de componentes ocidentais desde a sua concepção, como uma tentativa de emplacar o avião em grandes mercados fora da zona de influência da Rússia. Porém, a única grande encomenda fora desta zona aconteceu no México, mais especificamente para a Interjet. 

A empresa privada teve dificuldades de operar o jato desde o seu recebimento em 2013. A falta de logística para entrega de peças e manutenção complicada para os padrões ocidentais, fizeram com que a empresa ficassem com vários aviões em solo, sendo que ao menos dois dos 22 recebidos foram canibalizados: desmontados para servir de peças para os outros 20 jatos.

Mas os problemas não se limitaram aos russos, que já tem a fama de falharem no pós-venda, mas também com a própria Interjet, que nos últimos anos deixou de pagar o financiamento da aeronave. Somente com a Sukhoi, a empresa teria uma dívida de $380 milhões de dólares, segundo reporta a Forbes do México. A Interjet aposentou os jatos Sukhoi em 2019, após os problemas, mas a dívida continua ativa.

Agora, a proposta é repassar os jatos para a Cubana de Aviación, aérea estatal do governo cubano. A empresa hoje não conta com jatos de pequeno porte, tendo um grande gap entre os turboélices ATR e os jatos Ilyushin IL-96 e Tupolev Tu-204.

Apesar das sanções dos EUA, Cuba não teria restrições em receber aviões do México que foram fabricados na Rússia, mas pode ter problema com fornecimento de peças, de nível igual ou pior da Interjet.

Em 2018 voamos no Sukhoi Superjet, sendo a primeira e única mídia especializada brasileira a testar na prática o jato russo:

Carlos Martins
Fascinado por aviões desde 1999, se formou em Aeronáutica estudando na Cal State Long Beach e Western Michigan University. Atualmente é Editor-Chefe no AEROIN, Piloto de Avião, membro da AOPA, com passagem pela Avianca Brasil. #GoBroncos #GoBeach #2A

Veja outras histórias

Filho único: Boeing 787 mais mongol da história sai do chão...

0
Há cerca de três anos, a Mongolian Airlines (MIAT), com sede na Mongólia, comunicava ao mercado que encomendara um Boeing 787-9