Avião Airbus A321 tem danos visíveis após tocar cauda na pista e pilotos “não notarem”

Airbus A321 da IndiGo – Imagem: Kwok Ho Eddie Wong, CC BY-NC 2.0, via Fickr

Imagens compartilhadas nas redes sociais mostram a cauda de um Airbus A321 danificada após tocar o solo. A aeronave envolvida no incidente é a registrada sob a matrícula VT-ILR, da IndiGo Airlines, que cumpria o voo 6E-1859 de Daca, em Bangladesh, para Calcutá, na Índia, na última segunda-feira (2).

De acordo com informações obtidas pelo The Aviation Herald, a aeronave partiu da pista 14 do Aeroporto Internacional Hazrat Shahjalal às 16h42 locais sem intercorrências. Os pilotos mantiveram o A321 a 18 mil pés (cerca de 5,49 km) de altitude e seguiram para o destino.

O pouso do jato ocorreu 38 minutos após a partida, pela pista 01R do Aeroporto Netaji Subhas Chandra Bose, também sem intercorrências reportadas na aproximação. No entanto, em uma inspeção pós voo encontrou danos substanciais na cauda.

Na aviação, tal evento é chamado de “tailstrike” e ocorre quando a cauda de uma aeronave entra em contato com o solo ou outro objeto fixo. Isso pode acontecer tanto na decolagem, se o piloto eleva o nariz muito rapidamente ou num ângulo acima do adequado, quanto no pouso, se o piloto mantém o nariz muito elevado nos instantes finais antes do toque dos pneus com o solo.

Abaixo, é possível observar os danos causados na aeronave. Ainda não há informações se o incidente ocorreu durante a decolagem ou pouso. O jato permanece no solo de Calcutá desde os fatos. Uma investigação foi aberta para entender se os pilotos realmente não perceberam que houve o toque na pista.

Imagem compartilhada amplamente nas redes sociais

Leia mais:

Juliano Gianotto
Juliano Gianotto
Ativo no Plane Spotting e aficionado pelo mundo aeronáutico, com ênfase em aviação militar, atualmente trabalha no ramo de fotografia profissional.

Veja outras histórias

Gol Linhas Aéreas e Setur-PI se reúnem para discutir projetos de...

0
Parceria para fomentar turismo e projeto para inclusão de voos ligando a região litorânea a São Paulo e Brasília foram discutidos em reunião.