Avião da Voepass voou de São José do Rio Preto até São Paulo com uma ave presa no nariz

Um turboélice ATR 72 da Voepass atingiu um pássaro durante a decolagem São José do Rio Preto e voou com ele grudado no nariz até chegar na capital paulista.

A informação de que o incidente de bird strike (colisão com ave) ocorreu na decolagem da aeronave em São José do Rio Preto foi fornecida pela Infraero. O caso teria sido registrado na manhã de ontem, 22 de dezembro, enquanto a aeronave de matrícula PP-PTN voava do interior para a capital paulista.

As circunstâncias em que a colisão ocorreu não são conhecidas no momento, mas chama a atenção o fato dos pilotos terem continuado o voo, apesar do dano da fuselagem da aeronave.

Vale lembrar, no entanto, que há milhares de colisões com aves e pássaros todos os anos, sendo que, na esmagadora maioria das vezes, os voos prosseguem pois o dano não interfere na segurança do voo. Em outras ocasiões, quando um motor é danificado, por exemplo, os pilotos são orientados a retornar ao aeroporto de origem ou voar até o local mais próximo, por motivos de segurança.

Pelo tamanho da ave e o estrago causado, é difícil pensar que os pilotos pudessem não ter percebido a colisão, no entanto, entenderam que o dano era limitado e que era seguro seguir com voo. De fato, o pouso em Congonhas aconteceu normalmente e, uma vez no solo, os danos puderam ser verificados.

Em nota, a Infraero disse que “a colisão com pássaro não foi durante o procedimento de pouso no Aeroporto de Congonhas. Para maiores informações sobre essa ocorrência, orientamos contato com a administração do Aeroporto de São José do Rio Preto e a empresa aérea Voepass“.

Carlos Martins
Carlos Martins
Fascinado por aviões desde 1999, se formou em Aeronáutica estudando na Cal State Long Beach e Western Michigan University. Atualmente é Editor-Chefe no AEROIN, Piloto de Avião, membro da AOPA, com passagem pela Avianca Brasil. #GoBroncos #GoBeach #2A

Veja outras histórias