Avião “farejador nuclear” é visto novamente na América do Sul, mas agora do outro lado

Após causar “polêmica” durante dois voos na costa brasileira e por ter ignorado o controle aéreo do país, um clássico jato militar americano voltou a voar na América do Sul, mas em outro lugar.

Jato RC-135, similar ao WC-135 | Foto por USAF/Master Sgt. Scott Wagers

O Boeing WC-135R Constant Phoenix, ou Fênix Constante, foi visto no Brasil duas vezes nos últimos dias e, em nenhuma delas, foi colaborativo com o Controle de Tráfego Aéreo do Brasil, vindo a ignorar os pedidos do controlador para que identificasse suas intenções de voo, alegando estar voando em espaço aéreo internacional.

De toda forma, o voo incomum abaixo da linha do Equador chamou a atenção, sendo a primeira missão do tipo de décadas. Os EUA afirmaram que isso se tratou de missões para calibragem do equipamento, já que os jatos foram modificados e entregues poucos meses atrás, sendo que antes estavam na versão WC-135W e WC-135B, com motores originais do projeto 367-80 e do civil 707.

Agora, com os modernos CFM-56, que também equipam o Boeing 737 e o Airbus A320, o jato tem mais alcance e menor consumo. E, nesse contexto, mais um voo de calibração foi feito hoje, mas na costa do Pacífico da América do Sul.

No voo mais recente, o Boeing cortou o Mar do Caribe, sobrevoou o Panamá (único país que ele sobrevoou nesta semana), passou pela costa da Colômbia, Equador, Peru e chegou próximo da cidade chilena de Iquique, antes de voltar para San Juan, na rota inversa.

Até o momento não está claro até quando irão perdurar estes voos de calibragem dos novos WC-135R.

Carlos Martins
Carlos Martins
Fascinado por aviões desde 1999, se formou em Aeronáutica estudando na Cal State Long Beach e Western Michigan University. Atualmente é Editor-Chefe no AEROIN, Piloto de Avião, membro da AOPA, com passagem pela Avianca Brasil. #GoBroncos #GoBeach #2A

Veja outras histórias

Força Aérea Brasileira relembra ações anteriores em comunidades indígenas

0
Visando a defender, integrar e controlar, a FAB realiza ajuda humanitária ao atender e contribuir para preservar povos tradicionais no país.