Aviões Embraer estão com dificuldades para decolar na África por causa da Rússia

Alan Wilson, CC BY-SA 2.0, via Wikimedia

Uma das maiores companhias aéreas da África, a Kenya Airways, está enfrentando dificuldades na manutenção de aeronaves devido à interrupção das cadeias tradicionais de fornecimento de peças de reposição, muitas das quais são feitas de titânio extraído na Rússia, disse o presidente-executivo da companhia aérea, Allan Kilavuka, conforme relato pela agência turca Anadolu.

Allan Kilavuka conecta a situação atual com a crise e as sanções impostas pelos países ocidentais contra a Federação Russa.

“Estamos enfrentando interrupções nos horários de voos, pois há atrasos e cancelamentos devido aos problemas para concluir a manutenção programada dos equipamentos”, citou na terça-feira. “Por exemplo, 100% do titânio usado nas aeronaves da Embraer e 35% de titânio nas aeronaves da Boeing são fornecidos pela Rússia. Com suprimentos limitados, precisamos procurar as peças certas em todo o mundo.”

Kilawuka não descartou que a Kenya Airways seja forçada a recorrer ao cancelamento de mais voos se os problemas das peças persistirem. A companhia aérea possui uma frota de 34 aeronaves e atende 53 destinos. A empresa atualmente não opera voos diretos para cidades russas. 

Carlos Ferreira
Carlos Ferreira
Managing Director - MBA em Finanças pela FGV-SP, estudioso de temas relacionados com a aviação e marketing aeronáutico há duas décadas. Grande vivência internacional e larga experiência em Data Analytics.

Veja outras histórias

Expansão da malha aérea da Azul no Maranhão é discutida em...

0
Foi discutida as melhorias e regularizações dos aeroportos e aeródromos para o fortalecimento do turismo, de negócios e a geração de emprego.