Azul Linhas Aéreas é designada para voos entre Brasil e Canadá

Airbus A350-900 da Azul – Imagem ilustrativa

EXCLUSIVO – Cerca de um mês atrás, o AEROIN apresentou a curiosa informação de que a Azul Linhas Aéreas conversava com o governo brasileiro a respeito de interesse em voos entre o Brasil e o Canadá.

A novidade foi de certa maneira surpreendente, já que nunca antes havia sido comentado oficialmente pela companhia ou extra-oficialmente sobre possíveis planos em operar para algum destino canadense.

Mas agora, um novo passo, muito mais concreto, foi dado.

Uma fonte próxima ao Governo Federal revela ao AEROIN que, no final de setembro, o Brasil comunicou ao Departamento de Relações Exteriores, Comércio e Desenvolvimento do Canadá que a Azul Linhas Aéreas foi designada para operar serviços entre os dois países, conforme o Acordo de Transporte Aéreo vigente.

Apesar da comunicação feita há mais de uma semana, a companhia aérea brasileira segue sem nenhum comentário sobre planos de operações àquele país.

Conforme acordo assinado entre Brasil e Canadá em fevereiro de 2011, a relação entre os dois países é do tipo Céus Abertos (Open Skies), que “permite que qualquer número de transportadoras operem serviços diretos e indiretos”, em que “as companhias aéreas escolhem as rotas a servir, a frequência do serviço e os preços dos voos, sem quaisquer restrições”.

Portanto, dada a liberdade acima descrita, não é possível prever rotas, frequência ou natureza de voos até que alguma definição seja oficialmente anunciada ou algum comentário extra-oficial seja feito. O AEROIN contatou a Azul no mês passado, mas a companhia não forneceu nenhum posicionamento sobre o assunto.

Murilo Basseto
Murilo Bassetohttp://aeroin.net
Formado em Engenharia Mecânica e com Pós-Graduação em Engenharia de Manutenção Aeronáutica, possui mais de 6 anos de experiência na área controle técnico de manutenção aeronáutica.

Veja outras histórias

Em meio a dívidas e à produção desacelerada da Boeing, Spirit...

0
A Spirit já havia começado a limitar horas extras e contratações à medida que a produção diminui devido à menor produção de jatos 737 MAX.