Bloco Carioca: Galeão e Santos Dumont serão leiloados juntos em 2023

Com a saída da Changi de Singapura da concessão do Aeroporto do Galeão, ele deverá ser relicitado junto com o Santos Dumont. O certame de ambos ficou para 2023, anunciou o Ministério da Infraestrutura.

Foto: GOL – Cássio Vasconcellos

A medida foi anunciada pelo Ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes, horas depois da Changi de Singapura informar que iria deixar a concessão do Aeroporto Internacional do Galeão.

A Changi assumiu o Aeroporto do Galeão em 2014 juntamente da Odebrechet, visando atender a um tráfego estimado erroneamente, que supervalorizou o aeroporto. A situação se deteriorou com o envolvimento da sua parceira em esquemas de corrupção, que a forçaram a sair do negócio em 2017, deixando a Changi com 51% do aeroporto e a Infraero com o restante.

De lá para cá, a situação econômica no país passou por altos e baixos, mas o Rio de Janeiro tem mostrado números abaixo dos esperados pelo setor do turismo local, mesmo antes da pandemia. Muitas empresas internacionais retiraram seus voos e outras diminuíram as frequências. Por sua vez, muito do tráfego doméstico permaneceu centralizado no Santos Dumont, deixando o aeroporto internacional ainda mais ocioso. Veio a pandemia e a situação ficou ainda pior.

Nesse meio-tempo, a possível devolução do Galeão junto da concessão do Santos Dumont virou briga política no Rio de Janeiro, com vários movimentos se colocando a favor da limitação do aeroporto central para favorecer o Galeão. No entanto, a gota d’água para a Changi veio após a decisão da ANAC de não conceder a renegociação pleiteada, tornando o negócio inviável para a empresa de Cingapura.

Como resultado, veio a “devolução” do aeroporto do Governo Federal, formalizada nesta quinta-feira (10).

Ainda na noite de hoje, sem deixar a bola cair, o ministro da infraestrutura, Tarcísio Freitas correu para apresentar uma proposta que agrada a “gregos e troianos”, com uma concessão conjunta dos aeroportos no leilão que será feito em 2023.

A concessionária que arrematar o chamado Bloco Carioca, terá que administrar e investir nos dois aeroportos. Os detalhes serão informados futuramente e a maior atenção será sobre a possibilidade de limitação de operação em um ou outro aeroporto, seja por contrato ou por vontade da concessionária.

Carlos Martins
Carlos Martins
Fascinado por aviões desde 1999, se formou em Aeronáutica estudando na Cal State Long Beach e Western Michigan University. Atualmente é Editor-Chefe no AEROIN, Piloto de Avião, membro da AOPA, com passagem pela Avianca Brasil. #GoBroncos #GoBeach #2A

Veja outras histórias