Boeing 747 tem pane ao decolar, levando piloto a cortar motor e alijar combustível por 1 hora

Receba essa e outras notícias em seu celular, clique para acessar o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

Avião Jumbo Boeing 747-400F ACT Airlines
B747 da ACT, semelhante ao do incidente – Imagem: Anna Zvereva / CC BY-SA 2.0, via Wikimedia Commons

Os pilotos de um Boeing 747 precisaram cortar um dos motores e manter a aeronave em procedimento de alijamento de combustível por pouco mais de 1 hora nesta segunda-feira, 15 de fevereiro, em função de uma pane logo após a decolagem.

As informações obtidas pelo portal The Aviation Herald indicam que a aeronave envolvida no incidente foi o Boeing 747-400 registrado sob a matrícula TC-ACF. Dados do FlightRadar24 confirmam a ocorrência:

O Jumbo durante o alijamento de combustível – Imagem: FlightRadar24

O avião Jumbo é operado pela ACT Airlines em nome da Turkish Airlines, e estava realizando o voo de número TK-6551 de Shannon, na Irlanda, para Chicago O’Hare, nos EUA, com 5 tripulantes.

O jato de quatro motores acabara de partir da pista 24 de Shannon quando a tripulação relatou ao controle de tráfego aéreo que tinha problemas de motor e avisou que eles estavam mantendo o rumo da pista, ao invés de seguir a trajetória padrão de saída.

A aeronave foi nivelada a 3000 pés de altitude e, logo depois, a tripulação relatou que desligou o motor nº 2 (interno da asa esquerda). Apesar da pane, o Boeing 747 estava muito pesado para voltar imediatamente ao aeroporto, pois assim seu pouso ocorreria com peso acima do limite máximo definido para o jato (aviões geralmente possuem um peso máximo de decolagem superior ao peso máximo de pouso, pois na decolagem não há carga de impacto sobre a estrutura como há no pouso).

Assim, a tripulação levou-o até o Oceano Atlântico nas proximidades do litoral da Irlanda e, ainda mantendo aproximadamente 3 mil pés de altitude, voou por pouco mais de 1 hora efetuando o procedimento de alijamento de parte de seu combustível, ou seja, a liberação do fluido na atmosfera, conforme procedimento padrão para essa condição.

Após a redução da quantidade de combustível colocar o peso total da aeronave dentro do limite de peso máximo de pouso, os pilotos levaram o Jumbo de volta a Shannon, onde pousaram em segurança na pista 24 cerca de 1 hora e 50 minutos após a partida.

Até a publicação desta matéria, ainda não havia informações oficiais sobre o tipo de problema que levou à necessidade de corte do motor do Boeing 747.

Murilo Bassetohttp://aeroin.net
Formado em Engenharia Mecânica e com Pós-Graduação em Engenharia de Manutenção Aeronáutica, possui mais de 6 anos de experiência na área controle técnico de manutenção aeronáutica.

Veja outras histórias