Boeing 747 faz o 1º lançamento espacial da Europa Ocidental, mas algo dá errado na missão

O Boeing 747 decolando para a missão, em cena do vídeo apresentado abaixo

A primeira tentativa histórica de lançar satélites de solo britânico, também a primeira da história da Europa Ocidental, chegou ao espaço na noite dessa segunda-feira, 9 de janeiro, mas acabou falhando.

O Boeing 747-400 personalizado pela empresa Virgin Orbit, designado Cosmic Girl (Garota Cósmica), que serve como aeronave transportadora do sistema LauncherOne (foguete, carga espacial de satélites e sistemas de controle de missão a bordo do avião), decolou com sucesso da pista do Spaceport Cornwall, no Reino Unido, que apenas algumas semanas atrás foi transformado de uma mera plataforma de cimento vazia em um aeroporto comercial para o mais novo centro de operações de lançamento espacial do mundo.

O momento da decolagem do Jumbo Jet, com o foguete sob a asa esquerda, pode ser visto no vídeo a seguir, que mostra a transmissão feita ao vivo na noite da segunda-feira:

O Jumbo Jet viajou para a zona de lançamento sobre o oceano, manteve 30 mil pés de altitude, subiu até 37 mil pés em menos de 2 minutos durante a manobra de liberação do foguete e lançou-o com sucesso.

Dados e trajetória do voo do Boeing 747 para o lançamento – Imagem: RadarBox

O foguete então acionou seus motores, tornando-se rapidamente hipersônico e alcançando o espaço com sucesso. O voo do LauncherOne continuou por meio de separação de estágio bem-sucedida e ignição do segundo estágio.

No entanto, em algum momento durante o funcionamento do motor de segundo estágio do foguete, com o foguete viajando a uma velocidade de mais de 11.000 milhas por hora (17.700 km/h), o sistema apresentou uma anomalia, encerrando a missão prematuramente.

Mas, segundo a Virgin Orbit, embora a missão não tenha atingido sua órbita final, ao alcançar o espaço e alcançar inúmeras conquistas significativas pela primeira vez, ela representa um importante passo à frente.

O esforço por trás do voo reuniu novas parcerias e colaboração integrada de uma ampla gama de parceiros, incluindo a Agência Espacial do Reino Unido, a Força Aérea Real, a Autoridade de Aviação Civil, a Administração Federal de Aviação dos EUA, o Escritório Nacional de Reconhecimento e muito mais, e demonstrou que o lançamento espacial é possível a partir do solo do Reino Unido.

Das cinco missões LauncherOne transportando cargas úteis para empresas privadas e agências governamentais feitas até agora, esta é a primeira a não entregar suas cargas úteis à sua órbita alvo precisa.

Dan Hart, CEO da Virgin Orbit, disse:

“Embora estejamos muito orgulhosos das muitas coisas que alcançamos com sucesso como parte desta missão, estamos cientes de que falhamos em fornecer aos nossos clientes o serviço de lançamento que eles merecem.

A natureza inicial desta missão adicionou camadas de complexidade que nossa equipe administrou profissionalmente, no entanto, no final, uma falha técnica parece ter nos impedido de entregar a órbita final.

Trabalharemos incansavelmente para entender a natureza da falha, tomar ações corretivas e retornar à órbita assim que concluirmos uma investigação completa e um processo de garantia da missão”.

Informações da Virgin Orbit

Murilo Basseto
Murilo Bassetohttp://aeroin.net
Formado em Engenharia Mecânica e com Pós-Graduação em Engenharia de Manutenção Aeronáutica, possui mais de 6 anos de experiência na área controle técnico de manutenção aeronáutica.

Veja outras histórias