Início Indústria Aeronáutica

Botões muito próximos causam falha “quase catastrófica” em aviões Airbus A220

Uma falha de projeto pode causar um grande problema no Airbus A220 durante a sua decolagem, potencializando um acidente. O problema foi reportado por autoridades de aviação dos Estados Unidos e Canadá.

O problema foi revelado pela Administração Federal de Aviação (FAA) e a Transport Canada, respectivamente as autoridades civis aeronáuticas dos EUA e Canadá, após mais de 38 ocorrências de ativação do piloto automático durante a decolagem, segundo revela a FlightGlobal.

Por via de regra, o sistema não é acionado até a aeronave sair do chão e ultrapassar uma altitude mínima de segurança. O acionamento antes disso pode causar uma saída prematura da aeronave do solo, antes da velocidade ideal, fazendo com que o avião decole sem energia suficiente para uma subida segura, podendo resultar em queda por falta de sustentação.

Este acionamento, porém, não tem sido intencional, mas causado por outro problema: o desligamento do controle de potência automático, o autothrottle.

O controle de potência automático é utilizado para que a potência máxima configurada da aeronave seja aplicada durante a decolagem e não seja reduzida. No entanto, no A220 esta função é desativada automaticamente se tiver alguma “turbulência” causada por irregularidades na pista e também por divergência das informações de velocidade captadas por diferentes sensores (em caso de falha).

Se isso acontece, ao tentar religar este controle automático de potência, os pilotos podem acabar apertando o botão do piloto automático, que fica exatamente em cima do botão do autothrottle e são muito próximos um do outro, praticamente colados.

Este problema de usabilidade causou a série de ocorrências. Por isso, o Canadá pediu para que os pilotos sejam instruídos sobre este problema, enquanto que os americanos querem que uma regra seja estabelecida para não religar o autothrottle durante a decolagem, seguindo com o uso manual da potência em qualquer situação, como uma camada a mais de segurança para evitar o ligamento não intencional do piloto automático.

Fascinado por aviões desde 1999, se formou em Aeronáutica estudando na Cal State Long Beach e Western Michigan University. Atualmente é Editor-Chefe no AEROIN, Piloto de Avião, membro da AOPA, com passagem pela Avianca Brasil. #GoBroncos #GoBeach #2A
Sair da versão mobile