Chéquia quer trocar Gripens alugados por caças F-35 americanos

Mais um país europeu e membro da OTAN pode optar, em breve, pelo caça americano F-35 Lightining II, em detrimento do sueco Gripen.

Foto por Milan Nykodym

A Chéquia (ou República Tcheca) atualmente conta com 14 caças Gripen de primeira geração, sendo 12 modelos JAS-39C de um lugar e 2 do modelo JAS-39D de dois lugares, usada para treinamento e sem canhões internos. Estes Gripens são da geração que antecedeu o Gripen NG, o JAS-39E/F, modelo que o Brasil comprou e designou como F-39E/F, respectivamente, para as versões de um e dois assentos.

Os caças suecos estão na Força Aérea da Chéquia desde a virada do milênio, num acordo de aluguel (leasing) com a própria SAAB, fabricante das aeronaves. O país foi o primeiro membro da OTAN, junto da vizinha Hungria, a comprar os caças suecos. Inclusive, num modelo parecido, já que dos 24 caças Gripen que a Hungria voa hoje, 14 deles são também alugados da SAAB.

Mas tudo isso pode mudar em breve.

Com o contrato dos Gripens próximo do fim, expirando em 2027, uma nova janela de compra se abriu e o F-35 teria saído na frente da concorrência, sendo o preferido dos militares checos, segundo reporta o jornal local Echo24. A informação acabou sendo confirmada pela própria Lockheed Martin, fabricante do F-35, durante o show aéreo ILA em Berlim. Quando questionado sobre intenções da Chéquia e da Grécia sobre o caça, o Vice-Presidente de Estratégia do programa F-35 confirmou as conversas.

F-35 do Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA

As discussões estão acontecendo com estes dois países interessados em comprar o F-35. Até onde eu sei, a República Checa está mais próxima de tomar uma decisão”, afirmou o executivo, segundo reporta o AeroTimeHub.

O plano dos checos é ter ao menos 24 novos caças e, na competição, estariam, além do F-35, o Gripen NG e o F-16V, sendo este último também da Lockheed Martin.

O F-16 é o que teria menor chance, já que não representaria uma grande evolução em relação ao JAS-39C. O Gripen NG, por sua vez, seria a evolução natural, mas o F-35 tem grande vantagem de ser “quase invisível” ao radar, porém tem o custo mais elevado da categoria.

Nos últimos tempos, o F-35 tem levado todas as grandes concorrências, muitas delas nas quais o Gripen também competia: Canadá, Polônia, Suíça e Finlândia optaram pelo caça “invisível” dos EUA.

Carlos Martins
Carlos Martins
Fascinado por aviões desde 1999, se formou em Aeronáutica estudando na Cal State Long Beach e Western Michigan University. Atualmente é Editor-Chefe no AEROIN, Piloto de Avião, membro da AOPA, com passagem pela Avianca Brasil. #GoBroncos #GoBeach #2A

Veja outras histórias

O avião criado para jamais ser usado, mas que está de...

0
Recentemente, no dia 28 de julho de 2022, pousou na Base Aérea de Brasília o Boeing E-4B Nightwatch, uma variante do versátil Boeing 747