Colômbia perde prazo de orçamento e terá que continuar com caças velhos por mais algum tempo

Foto: FAC

O ministro da Defesa da Colômbia, Iván Velásquez, informou em entrevista que não foi possível chegar a um acordo com a Dassault ou a Saab para a compra dos caças que devem começar a substituir o IAI Kfir da Força Aérea Colombiana (FAC) a partir deste ano.

Duas semanas atrás, Velásquez havia concedido uma entrevista ao programa 6AM da Rádio Caracol, na qual assegurava que o governo estava inclinado a escolher o caça francês para substituir o Kfir, em detrimento das propostas do norte-americano F -16 Bloco 70/72 e o sueco Gripen E.

No entanto, hoje, em outra entrevista, ele confirmou que não conseguiram fechar as negociações para a compra dos novos aviões de combate, nem com a empresa francesa nem com a sueca, reportou o site Aviacionline.

Para pagar a primeira parte da aquisição, o Ministério da Defesa da Colômbia dispôs de um orçamento de 678 milhões de dólares acertado no governo anterior por meio de um documento do CONPES (Conselho Nacional de Política Econômica e Social). No total, a Colômbia pretendia adquirir 16 caças Dassault Rafale em um período de 10 anos, cujo custo aproximado teria sido de cerca de US$ 3,15 bilhões.

No entanto, o CONPES tinha prazo de validade em 31 de dezembro de 2022 e, como as negociações com os dois licitantes favorecidos não puderam ser fechadas a tempo, o programa de substituição do Kfir da FAC ficou sem financiamento inicial.

As negociações continuarão este ano, seja com a Dassault e o governo francês, seja com a Saab e a Suécia, mas o primeiro obstáculo que o Ministério da Defesa da Colômbia terá que superar é discutir e obter um novo documento do CONPES que garanta os recursos necessários.

Esta não é uma tarefa fácil, pois o Ministro Velásquez havia assegurado anteriormente que a compra não impactaria os recursos imediatos do Estado, uma vez que o orçamento do CONPES anteriormente designado estava disponível e um período de carência estava sendo negociado com os licitantes.

Enquanto isso, a escolha de um substituto para a envelhecida frota IAI Kfir da FAC continua adiada, e os aviões terão que permanecer em serviço de alguma forma.

Carlos Ferreira
Carlos Ferreira
Managing Director - MBA em Finanças pela FGV-SP, estudioso de temas relacionados com a aviação e marketing aeronáutico há duas décadas. Grande vivência internacional e larga experiência em Data Analytics.

Veja outras histórias