Companhia aérea se recusa a renovar contrato com fazenda de criação de macacos

Boeing 787-8 da Kenya Airways

A companhia aérea nacional do Quênia, Kenya Airways, não renovará um contrato com uma fazenda de criação de macacos nas Ilhas Maurício. A empresa realizava o transporte dos animais de laboratório saindo da ilha no Oceano Índico. A decisão vem depois que 100 macacos de cauda longa, transportados pela companhia aérea para os Estados Unidos, se envolveram em um acidente de trânsito na Pensilvânia.

De acordo com o African News, após conseguirem encurralar os macacos que haviam escapados de suas jaulas após o acidente, três deles não foram capturados, precisando ser rastreados por dias antes de serem localizados e sacrificados.

Uma mulher que dirigia atrás do caminhão presenciou o acidente e foi ajudar, mas começou a se sentir mal vários dias após entrar em contato com os macacos. Ela teria ido ver o que estava nas caixas transportadoras, mas acabou tendo contato com as fezes e saliva dos animais. A mulher recebeu uma vacina antirrábica e está tomando um medicamento antiviral.

O grupo de direitos dos animais People for the Ethical Treatment of Animals (PETA) soube que a Kenya Airways havia transportado os macacos para os Estados Unidos e imediatamente disparou cartas para o executivo-chefe da companhia aérea e presidente do conselho.

“Como conservacionista, estou horrorizado, embora tenha certeza de que todas as diretrizes internacionais foram seguidas”, comenta Michael Joseph, chefe do conselho da Kenya Airways à PETA. “Não renovaremos o contrato que expira no final de fevereiro (com os criadores dos macacos)”, disse executivo.

A PETA afirma que muitos macacos de teste de laboratório são transportados para os EUA da Ásia e da África “quase sem supervisão” e que as autoridades são raramente informadas se um macaco desenvolve sinais de doença após completar o período de quarentena obrigatória.

Leia mais:

Juliano Gianotto
Juliano Gianotto
Ativo no Plane Spotting e aficionado pelo mundo aeronáutico, com ênfase em aviação militar, atualmente trabalha no ramo de fotografia profissional.

Veja outras histórias

Após aposentar turboélices, polonesa LOT recebe mais um jato Embraer

0
A companhia aérea de bandeira da Polônia, a LOT, recebeu o seu primeiro jato brasileiro Embraer após aposentar todos os seus turboélices.