Conheça a empresa que, em 2022, ainda usa aviões DC-6 e C-46 em voos comerciais

DC-6 e C-46 da Everts – Imagem: Frank Kovalchek / CC BY 2.0, via Wikimedia Commons

Para aqueles que gostam de aviação, é sempre um prazer quando surge a oportunidade de ver um clássico avião de décadas atrás voando em um show aéreo ou até mesmo apenas exposto em um aeroporto.

Mas há uma região do planeta em que as pessoas têm a curiosa chance de conferir, em pleno ano 2022, operações comerciais de uma empresa aérea que ainda utiliza aviões de dois modelos fabricados nas décadas de 1940 e 1950.

No Alasca, o gelado estado americano no extremo Norte da América, a empresa Everts Air Cargo mescla em sua frota os clássicos bimotores e quadrimotores radiais Curtiss Wright C-46 e Douglas DC-6 com turboélices Embraer EMB-120, Pilatus PC-12 e Cessna C208 Grand Caravan, e ainda jatos DC-9 e MD-80.

A seguir, conheça um pouco mais sobre as operações dos clássicos aviões de motores radiais ainda em uso na Everts.

Douglas DC-6

Imagem: Ben Wang, via YouTube

Segundo descreve a própria companhia aérea em seu site, após a Segunda Guerra Mundial, muitas companhias aéreas comerciais começaram a operar aeronaves excedentes de guerra. Essas aeronaves cumpriram o dever para as operações militares, mas a maioria não incluía a tecnologia desenvolvida na aviação durante esses anos.

À medida que o público em geral descobriu a conveniência do voo, passou a exigir aeronaves mais rápidas, com voos mais altos e mais confortáveis. A Lockheed e a Boeing responderam a essa nova demanda, assim como a Douglas.

O DC-6 foi uma expansão do modelo C-54 de guerra, que também era o DC-4 civil. O DC-4 voou pela primeira vez em 1942 e foi seguido quase imediatamente por melhorias que, no final da guerra, o superariam. Estes incluíam motores mais potentes, pressurização da cabine, hélices reversíveis, inúmeras modificações eletrônicas e um aumento de 81 polegadas (2,05 metros) na fuselagem para maior capacidade de passageiros e carga.

Com isso, nascia a nova designação do C-54/DC-4 como o DC-6, que voou pela primeira vez em 1946 e foi produzido até 1958 em suas diversas variantes, totalizando mais de 700 unidades.

Mas esse avião na versão inicial ainda não atendeu às demandas da indústria, e recebeu outra ampliação de comprimento de fuselagem, motores ainda mais potentes e uma porta de carga em parte das unidades produzidas. A nova versão foi chamada de DC-6A (para carga e passageiros) e DC-6B (somente passageiros).

Estas versões tornaram-se uma das principais aeronaves usadas pelas companhias aéreas comerciais até o advento do avião a jato. Não há praticamente nenhuma grande companhia aérea que não tenha operado (em algum momento) pelo menos uma versão do DC-6, DC-6A ou DC-6B.

Ao mesmo tempo, os militares ordenaram que algumas centenas dessas aeronaves voassem como a versão C-118 para a Força Aérea dos Estados Unidos (USAF) e a versão R6D para a Marinha. Eles voaram pela última vez para os militares em meados dos anos 80, e alguns desses aviões ainda estão voando hoje como aviões de carga ou combatedores de incêndios.

A frota da Everts é proveniente tanto do lote militar quanto de outros operadores civis. Como operadora somente de carga, todos os nossos aviões agora têm portas de carga e estão configurados para esse tipo de voo.

No passado, eles transportavam passageiros e carga para United, Sabena, Southwest Airlines, Western Northeast Airlines, Japan Airlines, Cathay Pacific, USAF, Marinha e alguns outros operadores.

Um ponto a se notar, segundo destaca a empresa aérea, é que, enquanto outros aviões competitivos estavam sendo construídos durante os mesmos anos, eles agora se foram dos céus e o DC-6 ainda não.

Segundo dados das plataformas de rastreamento online, ao menos três aviões deste modelo estão em operação na empresa em 2022. São eles os registrados sob as matrículas N100CE e N9056R, que possuem voos captados nos últimos dias, e o N747CE, que voou pela última vez em 27 de janeiro (você pode clicar sobre cada matrícula para acessar o histórico no RadarBox).

A seguir, acompanhe alguns vídeos dos DC-6 da Everts registrados nos últimos meses, e aproveite para aumentar o volume e curtir o belo som de seus quatro motores radiais:

Curtiss Wright C-46

Imagem: Everts Air Cargo

Em 26 de março de 1940, o Curtiss C-46 Commando decolou pela primeira vez. Este avião pretendia ser a entrada da Curtiss na “nova era” do transporte aéreo que aconteceria nos próximos anos. Os planos mudaram quando a guerra começou e os militares compraram quase todos os Curtiss Commando que saíram da linha de produção.

O avião foi pilotado por todos os ramos de serviço como o C-46 pelas Forças Aéreas do Exército dos Estados Unidos (USAAF) além de vários países estrangeiros, e como o R5C pelos serviços navais.

Um dos períodos mais notáveis foi o “Flying the Burma Hump” (Voando a corcunda da Birmânia), de voos entre a Índia e a China sobre a Birmânia, transportando suprimentos de guerra muito necessários para aqueles que estavam fora dos domínios japoneses naquela época.

Os esforços de guerra do Commando não terminaram até o final da Guerra do Vietnã. Durante os anos seguintes, ela serviu em várias forças armadas. O próprio avião de matrícula N54514, usado pela Everts, voou na Força de Autodefesa Aérea do Japão (JASDF).

Possivelmente superando o “Flying the Hump” foi o período após a guerra, quando muitas companhias aéreas estavam se recuperando com rotas aéreas civis e novas companhias aéreas estavam sendo formadas para atender à demanda pública por viagens aéreas. Muitas dessas empresas inicialmente se voltaram para aeronaves excedentes de guerra, e o C-46 finalmente entrou no serviço civil.

Algumas das empresas mais notáveis ​​a voar no “Quarenta e Seis” foram Flying Tiger, World, Pan Am, Slick, TWA, Lufthansa, Reeves, Wien e Alaska, entre muitas outras. Durante esse período, o C-46 ajudou a estabelecer essas empresas em sua capacidade de transporte de passageiros de primeira linha e na preparação do cenário para a vasta rede de carga que abrange a América do Norte hoje.

O envolvimento da Everts Air Cargo começou com o patriarca dos Everts, Cliff Everts. Cliff teve um caso com o avião quase desde o primeiro voo. Ele teve vários deles ao longo dos anos e foi o dono do avião que hoje voa na Everts Air Cargo, antes de vendê-lo para Rob Everts. O N54514 voou pela primeira vez para as USAAF em fevereiro de 1945 e continuou por aproximadamente 10 anos até ser transferido para a força de autodefesa japonesa.

Os japoneses pilotaram o avião por mais 20 anos e depois o estacionaram na Base Aérea de Miho, Yonago, Japão. Pouco tempo depois, foi comprado por Cliff Everts e levado para o Alasca para ficar parado por mais um período. O filho de Cliff, Robert, então o comprou e o reconstruiu para operação pela Everts Air Cargo.

Assim que a reconstrução do N54514 foi concluída, ela voltou a trabalhar. Para um “velho”, ele tem poucas horas totais de voo e, segundo a Everts, gosta do mimo de ser operada por pessoas que apreciam suas capacidades e necessidades.

Tal como acontece com a aeronave DC-6, é impossível escrever uma história abrangente do C-46. Sua história é extensa e envolvente, incluindo serviço com unidades militares e companhias aéreas em mais países do que a maioria de nós pode conceber. Em sua grande fuselagem, ele carregou itens de carga mais variados do que se pode imaginar. Foram mais de 3 mil unidades produzidas entre 1940 e 1945.

Segundo as plataformas de rastreamento, ao menos três C-46 operaram neste início de 2022. Os de matrículas N1837M e N54514 voaram nos últimos dias, e o N7848B fez seu mais recente voo em 25 de janeiro.

Veja a seguir alguns vídeos dos C-46 da Everts:

Com informações da Everts Air Cargo

Murilo Basseto
Murilo Bassetohttp://aeroin.net
Formado em Engenharia Mecânica e com Pós-Graduação em Engenharia de Manutenção Aeronáutica, possui mais de 6 anos de experiência na área controle técnico de manutenção aeronáutica.

Veja outras histórias

Registrado outro recorde pelo Aeroporto de Viracopos no total dos 7...

0
Após o anúncio sobre o recorde histórico de movimento de passageiros, o Aeroporto de Viracopos também consolida recorde de cargas.