Cubana de Aviación terá até dois Airbus A340 à sua disposição

Foto: Alan Wilson, CC BY-SA 2.0, via Wikimedia

A empresa aérea estatal Cubana de Aviación firmou acordo para ter até dois jatos Airbus A340 da Plus Ultra à sua disposição, quando necessário, com o objetivo de realizar voos para destinos europeus.

Antes, a companhia operava na ligação entre Havana e Madri com aviões russos Ilyushin IL-96, no entanto, pelo que indica a mídia espanhola El Economista, esses não estariam mais cumprindo com as regras de sobrevoo da União Europeia e demandariam algumas adaptações.

Por sua vez, a Plus Ultra possui dois A340-300 operacionais (EC-MQM e EC-NBU) e mais um A340-600 estacionado em Abu Dhabi, com os quais realiza voos de fretamento para si ou em aluguel para outras companhias.

Um desses jatos A340-300 já havia sido utilizado, em abril passado, pelo Governo de Cuba para enviar mais de 150 médicos em um voo entre Havana e Libreville, capital do Gabão. No final do ano passado, eles chegaram a fazer voos para pontuais para a Cubana, entre a ilha e a Europa.

O acordo entre Cubana e Plus Ultra é um ‘wet lease’ entre as duas empresas, ou seja, a locação da aeronave e do pessoal necessário para operá-la, incluindo pilotos, mecânicos, comissários de bordo, etc.

A Plus Ultra

A Plus Ultra é uma companhia aérea espanhola com dez anos de vida, especializada em voos de longa distância com sua frota de três Airbus A340. Seus destinos regulares ou de fretamento se concentram em zonas de alta densidade de passageiros, principalmente a turismo de lazer ou viagens de família, para a América Central e do Sul.

Com o turismo afetado duramente pela pandemia, a empresa alocou suas aeronaves para voos especiais de carga para todo o mundo.

Carlos Ferreira
Managing Director - MBA em Finanças pela FGV-SP, estudioso de temas relacionados com a aviação e marketing aeronáutico há duas décadas. Grande vivência internacional e larga experiência em Data Analytics.

Veja outras histórias

Filho único: Boeing 787 mais mongol da história sai do chão...

0
Há cerca de três anos, a Mongolian Airlines (MIAT), com sede na Mongólia, comunicava ao mercado que encomendara um Boeing 787-9