De olho na ameaça da China, Airbus e Boeing encerram disputa de 17 anos

red airplane
Foto de Tanathip Rattanatum via Pexels.com

Uma disputa comercial entre Airbus e Boeing, que já dura 17 anos, ganhou uma trégua de longo prazo. Durante a reunião do G7, o presidente dos EUA, Joe Biden, e a UE acordaram superar suas próprias brigas fiscais e voltar seu foco para uma China em ascensão. Após uma maratona de negociações, a trégua foi formalizada em Bruxelas, reportou a Bloomberg.

A União Europeia disse que a trégua foi estabelecida por cinco anos, enquanto o foco se volta para a capacidade crescente da China na indústria de aviação. O acordo suspende as tarifações punitivas de ambos os lados e cria um grupo de trabalho para discutir os limites dos subsídios que cada um dos lados poderia dar a seus fabricantes.

No mês passado, a Airbus havia declarado que, no final dessa década, a fabricante chinesa COMAC poderá estar competindo em pé de igualdade por novos pedidos e tornar-se-ia rival direto das fabricantes europeia e americana.

Autoridades de ambos os lados concordaram que tal acordo abre um novo capítulo no relacionamento dos blocos porque passam do litígio para a cooperação na indústria de aeronaves. Durante o encontro, o foco tem sido em encontrar espaço e sinergias sobre as questões comerciais comuns, para dar um sinal de que as batalhas da era Trump ficarão para trás.

Carlos Ferreira
Managing Director - MBA em Finanças pela FGV-SP, estudioso de temas relacionados com a aviação e marketing aeronáutico há duas décadas. Grande vivência internacional e larga experiência em Data Analytics.

Veja outras histórias