Divulgados os números da Embraer do 2º trimestre de 2022; confira quantos aviões ela entregou

Imagem: Embraer

A Embraer informa nesta segunda-feira, 25 de julho, que entregou 32 jatos no segundo trimestre de 2022 (2T22), sendo 11 comerciais e 21 executivos (12 leves e 9 médios). Com isso, no ano, a empresa acumula um total de 46 aeronaves entregues (17 comerciais e 29 executivas).

Entre as comerciais, os modelos entregues no 2T22 foram o E175 de primeira geração e o maior jato comercial já feito pela Embraer, o E195-E2 de nova geração, respectivamente com 8 e 3 unidades.

No segmento executivo, os 12 jatos leves foram dois do Phenom 100 e dez do Phenom 300, enquanto os 9 médios foram cinco Praetor 500 e quatro Praetor 600.

A carteira de pedidos firmes (backlog) encerrou o 2T22 em US$ 17,8 bilhões, o maior nível desde o 2T18, impulsionada por novas vendas de aeronaves e serviços. O valor representa um crescimento de 12% quando comparado aos US$ 15,9 bilhões registrados no mesmo período de 2021.

O total de aviões que compunha esse backlog em 30 de junho de 2022 era de 312 unidades, sendo 143 do modelo E175, três do E190, três do E190-E2 e 163 do E195-E2. Em toda a história da família dos E-Jets, a Embraer acumula 2.000 pedidos firmes e 1.688 entregas efetuadas.

No 2T22, a Embraer recebeu na família de operadores de E-Jets a Sky High, da República Dominicana, que vai operar dois jatos E190 de primeira geração. Estas aeronaves serão cobertas pelo Programa Pool, cujo contrato foi anunciado pela Embraer Serviços & Suporte.

Em junho, a Embraer assinou um pedido firme para conversão de até 10 E-Jets em aeronaves cargueiras (P2F, passenger to freight, em inglês) com um cliente “não-divulgado”. As aeronaves virão da atual frota de E-Jets deste cliente, com entregas a partir de 2024. Este é o primeiro contrato firme para a conversão de E-Jets, sendo o segundo acordo para esse tipo de operação.

Já em outro contrato, anunciado em maio, Embraer e Nordic Aviation Capital (NAC) acordaram até 10 posições de conversão para os jatos E190F/E195F.

Ainda no segundo trimestre de 2022, a Embraer Defesa & Segurança entregou o último caça modernizado AF-1 para a Marinha do Brasil.

No mercado de aviação executiva, os resultados confirmam o posicionamento sólido da Embraer nos segmentos de jatos leves e médios, com aumento da demanda.

Farnborough Airshow (FIA) 2022

Já avançando para o 3º trimestre de 2022 (3T22), na última semana, durante o Farnborough Airshow, a Embraer Aviação Comercial anunciou a venda de 20 unidades do jato E195-E2 para a Porter Airlines, do Canadá, que serão incluídos na carteira de pedidos firmes do 3T22.

A companhia aérea canadense passa a ter agora 50 pedidos firmes e 50 direitos de compra para o modelo E195-E2. No mesmo evento, a Embraer anunciou um pedido firme do Alaska Air Group para oito jatos E175, os quais já constam no valor da carteira de pedidos do 2T22, além de 13 direitos de compra.

A Embraer Serviços & Suporte anunciou um contrato de renovação e expansão com a LOT Polish Airlines para o Programa Pool. O acordo de longo prazo cobrirá um total de 44 E-Jets. E a NAC anunciou um memorando de entendimento com a Astral Aviation, com sede em Nairobi, Quênia, para realizar a conversão das duas primeiras aeronaves cargueiras (P2F, passenger to freight, em inglês) do modelo E190F.

A Embraer Defesa & Segurança celebrou acordos de cooperação com a BAE Systems por meio de dois memorandos de entendimento (MoUs, na sigla em inglês) que visam ampliar a atuação das empresas no mercado global de defesa. O primeiro é voltado para promover o C-390 nos mercados do Oriente Médio (inicialmente no Reino da Arábia Saudita) e o outro confirma uma intenção de criar uma joint venture para desenvolver uma variante de defesa do veículo elétrico de decolagem e aterrissagem vertical (eVTOL) da Eve.

Informações da Embraer

Murilo Basseto
Murilo Bassetohttp://aeroin.net
Formado em Engenharia Mecânica e com Pós-Graduação em Engenharia de Manutenção Aeronáutica, possui mais de 6 anos de experiência na área controle técnico de manutenção aeronáutica.

Veja outras histórias

Avião sobrevoa a pista mas não pousa porque os pilotos estavam...

0
Um caso grave deu-se na Ethiopian e poderia ter causado um acidente, quando um Boeing 737 não pousou pelo fato dos pilotos estarem dormindo.