Em comemoração ao Dia do Material Bélico, Força Aérea publica vídeo de suas aeronaves em ação

Caça F-5 da FAB disparando um míssil, em cena do vídeo apresentado abaixo

Foi em 11 de novembro de 1944, em Tarquínia, na Itália, durante a Segunda Guerra Mundial, que o Primeiro Grupo de Aviação de Caça (1º GAVCA) voou, pela primeira vez, como uma Unidade independente, utilizando somente pilotos brasileiros e as aeronaves P-47 Thunderbolt municiadas e preparadas, também, por militares brasileiros.

Assim, nessa data, comemora-se o Dia do Material Bélico da Aeronáutica, que completa, neste ano, 78 anos de história. Para homenagear a ocasião, a Força Aérea Brasileira (FAB) publicou o vídeo apresentado a seguir, e o conteúdo especial que segue abaixo nessa matéria:

O Especialista em Material Bélico é o responsável pelos serviços técnicos de manutenção, estocagem e instalação de materiais bélicos aéreo e terrestre. Com a chegada da aeronave F-39 Gripen, o novo supersônico da FAB, os artefatos bélicos continuam evoluindo com as mais avançadas tecnologias, elevando consideravelmente o poder de fogo da Força, como as aquisições de novos armamentos e bombas guiadas a GPS.

Especialistas em Armamento na FAB

O Tenente-Coronel Especialista em Armamento Cláudio Cézar dos Santos Andrade, do Parque de Material Bélico de Aeronáutica do Rio De Janeiro (PAMB-RJ), iniciou sua carreira na Aeronáutica como aluno da Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR), em 1990. Alguns anos depois, em 2004, prestou concurso para o Curso de Formação de Oficiais Especialistas (CFOE), sendo aprovado e iniciado no Oficialato em 2005.

O Oficial conta que não existe uma Organização Militar em que não tenha um material bélico disponível, seja para guarda e segurança, treinamento das equipes ou para a defesa aérea.

“No PAMB, capacitamos os profissionais no Curso de Manipulação de Material de Demolição (CMMAD) e no Curso de Neutralização e Destruição de Artefatos Explosivos (CNDAEX). Essas duas capacitações são realizadas depois da formação Básica em Material Bélico (BMB) e têm como público-alvo Oficiais e Graduados das diversas Forças e também dos órgãos de Segurança Pública”, destacou.

Ainda de acordo com o Tenente-Coronel, o trabalho realizado pelo profissional BMB requer cuidado e atenção, pois ele atua junto em  Unidades Aéreas (Armamento Aéreo) quanto nas Seções de Armamento Terrestre (SAT).

“Estamos falando de equipamentos, materiais que requerem instrução específica e muito cuidado no manuseio para serem operados e manutenidos. O foco é sempre a segurança. Qualquer descuido terá, certamente, consequências desagradáveis que podem levar a um acidente. O BMB atua operacionalmente desde o emprego aéreo, no suporte logístico para a aquisição de peças e serviços, até a sua neutralização, quando termina o ciclo de vida útil”, ressaltou.

O Chefe da Seção de Controle e Suprimento de Material Bélico da Base Aérea de Santa Maria (BASM) Tenente Edison Ferreira, também Especialista em Armamento, conta que sua carreira militar iniciou em 1993, quando ingressou na FAB como soldado. Em 1996, realizou o Curso de Formação de Cabos na EEAR, formando-se Especialista em BMB. Dois anos depois, em 1998, foi aprovado para o Curso de Formação de Sargentos (CFS). Já no ano de 2019, iniciou o Estágio de Adaptação ao Oficialato (EAOF), na especialidade de Armamento.

Conforme descreve o Oficial, sua função como gestor é controlar o acervo bélico da BASM bem como o gerenciamento que possibilite o preparo e o emprego de armamento pelas unidades aéreas.

“Desde o início até hoje, foram inúmeras funções, cursos e manobras ligadas diretamente à atividade bélica, demonstrando o dinamismo e a pluralidade que envolvem as atribuições do Especialista em Armamento. Desde o manuseio de um cartucho 9 mm ao preparo de uma bomba guiada a laser (LIZARD 2), o militar de material bélico contribui significativamente para que a Força Aérea Brasileira exerça a importante função constitucional de defesa da pátria”, pontuou.

Memória

Em memória ao Tenente-Coronel Jorge da Silva Prado, Patrono do Material Bélico da Aeronáutica, então Tenente naquele 11 de novembro de 1944, a Força Aérea reverencia seus heróis do passado e se prepara para o futuro. Assim, brada com o grito de guerra do Material Bélico da FAB, em homenagem ao seu dia: Da Força, o Sabre!

Informações da Força Aérea Brasileira

Murilo Basseto
Murilo Bassetohttp://aeroin.net
Formado em Engenharia Mecânica e com Pós-Graduação em Engenharia de Manutenção Aeronáutica, possui mais de 6 anos de experiência na área controle técnico de manutenção aeronáutica.

Veja outras histórias