Embraer negocia aviões da família E2 com empresas da América do Norte, Ásia e Europa

A fabricante brasileira de aviões Embraer acredita na volta dos voos, com maior potencial aos jatos regionais, e tem dedicado esforços para angariar mais vendas.

A empresa afirmou durante a Reunião Geral Anual (AGM) da IATA (Associação Internacional de Transporte Aéreo), que está em discussão com potenciais clientes nas Américas do Norte e do Sul, Europa e Ásia para o E2, que é a família dos maiores aviões civis já feitos no Hemisfério Sul.

Segundo Arjan Meijer, CEO da Embraer Aviação Comercial, a empresa pretende entregar entre 60 e 70 jatos comerciais esse ano, bem acima dos 50 entregues por ano desde o início da pandemia. O foco da fabricante será nas empresas que querem ter aviões mais eficientes e menos poluentes, diversificando sua frota e malha. A pressão do preço dos combustíveis pode beneficiar a fabricante brasileira.

Ainda segundo Arjan, o problema de falta de pilotos, comissários e outros funcionários de empresas aéreas “tem aumentado a preocupação” do setor, mas deve ser resolvido no curto prazo. Já a inflação e a alta do combustível são pontos mais complicados de resolver e devem aumentar o custo de operação da indústria aeronáutica no geral.

Novos pedidos não foram anunciados ainda, mas pode-se esperar alguma novidade dentro de um mês, durante a feira de Farnborough. A alta dos combustíveis é um dos principais temas sendo discutidos na IATA AGM, na qual o AEROIN está com uma cobertura presencial com detalhes exclusivos.

A cobertura completa do AEROIN na 78ª AGM da IATA, direto de Doha, pode ser conferida neste link.

Carlos Martins
Fascinado por aviões desde 1999, se formou em Aeronáutica estudando na Cal State Long Beach e Western Michigan University. Atualmente é Editor-Chefe no AEROIN, Piloto de Avião, membro da AOPA, com passagem pela Avianca Brasil. #GoBroncos #GoBeach #2A

Veja outras histórias