Empresa aérea pagará R$270 mil em bônus a novos pilotos que queiram voar seus jatos Embraer

A grande distorção no mercado americano, onde faltam pilotos, tem gerado novos recordes, onde as bonificações chegam à casa das dezenas de milhares de dólares (centenas de milhares de reais) na contratação.

Divulgação – Commut Air

A mais nova empresa aérea a ter que subir a barra na contratação de pilotos é a CommutAir, regional que possui uma grande frota de jatos Embraer, todos do modelo ERJ-145, que são operados para a United Airlines sob a marca United Express. Acontece que, com a falta de pilotos para uma parte dos seus mais de 60 aviões brasileiros, a empresa teve que colocar uma nova, e ousada, política de contratação.

Em face a tal desafio, a empresa resolveu apostar alto na contratação, oferecendo um bônus de $50 mil dólares, ou o equivalente a R$272 mil na cotação atual, aos novos contratados. O recorde anterior era da Envoy, Piedmont, PSA, que operam como afiliadas da rival American Airlines. Estas empresas deram um bônus de $30 mil dólares para cada piloto, e uma bolada similar para os “futuros novatos” de companhia.

Embora um valor mais alto, o incentivo financeiro da CommutAir será apenas para comandantes, exigindo entrada direta para quem já tenha voado em linha aérea ou táxi aéreo, com pelo menos 1 mil horas de voo como comandante em voo. Dentre outros requisitos estão a experiência recente, autorização para trabalhar nos EUA, passaporte válido com vistos para voos para o Canadá e México.

Apesar do novo recorde de bônus, o problema da falta de pilotos não é novidade nos EUA, como temos mostrado de maneira recorrente.

Carlos Martins
Carlos Martins
Fascinado por aviões desde 1999, se formou em Aeronáutica estudando na Cal State Long Beach e Western Michigan University. Atualmente é Editor-Chefe no AEROIN, Piloto de Avião, membro da AOPA, com passagem pela Avianca Brasil. #GoBroncos #GoBeach #2A

Veja outras histórias