Empresa aérea quer mudar de rota e comprar mais aviões ao invés de alugá-los

Foto de Clément Alloing

O mercado de leasing aeronáutico tem vivenciado uma alta de preços e deve levar uma grande empresa mudar seu modelo de incorporação de jatos. A proposta é da low-cost escandinava Norwegian Air, que já foi uma das maiores do seu segmento, mas que teve que reduzir drasticamente seu tamanho na pandemia, abandonando o mercado de baixo-custo em rotas longas, que eram operadas com Boeing 787.

Por outro lado, a empresa continua com uma frota exclusiva de jatos Boeing 737 da série -800 e MAX 8, com os quais persiste no modelo low-cost. No entanto, a companhia não está satisfeita com o fato de ter suas aeronaves arrendadas, modelo em que se faz um acordo de leasing com financeiras ou bancos, pagando mensalmente a esses agentes, ao invés de comprar os jatos.

O modelo de leasing é usado hoje pela grande maioria das empresas aéreas do mundo, que têm toda a frota alugada ou uma combinação de aluguel com próprias. No caso da Norwegian, a subida dos custos a tem feito ajustar seu negócio.

O CEO da empresa, Geir Karlsen, disse em entrevista ao Flight Global, que “meses atrás a empresa pagava $300 mil dólares por mês para um 737 MAX 8 novo, mas agora esse preço subiu e estamos pagando mais de $350 mil dólares por mês para um MAX 8 zero quilômetro”.

Com isso alugar aviões não está tão barato, principalmente para uma empresa que tem quase 70 aviões e precisa encontrar o melhor mix para expandir seus negócios.

“Indo adiante, queremos ter uma porção da frota, ou talvez até mais de 50%, comprados e próprios. Temos um diálogo contínuo com a Boeing e Airbus, e estamos muito mais próximo de uma solução sobre isso”, conclui o CEO.

Ao comprar os próprios aviões a empresa tende a ficar mais tempo com eles. Uma das empresas que segue essa prática é a Delta, que tem uma frota mais antiga, mas bem mantida.

Carlos Martins
Carlos Martins
Fascinado por aviões desde 1999, se formou em Aeronáutica estudando na Cal State Long Beach e Western Michigan University. Atualmente é Editor-Chefe no AEROIN, Piloto de Avião, membro da AOPA, com passagem pela Avianca Brasil. #GoBroncos #GoBeach #2A

Veja outras histórias