Empresa avalia o 2º maior pedido de aviões do mundo em tempos de pandemia

Avião Airbus A321neo
Airbus A321neo – Imagem: Airbus

Uma companhia aérea avalia grande encomenda de aviões da Airbus, no que será, caso confirmada, a segunda maior em tempos de pandemia, depois da United Airlines, com 270 aeronaves no final de junho de 2021.

A húngara Wizz Air está negociando com a Airbus a incorporação de mais 100 aeronaves de corpo estreito (cabine com corredor único), que se juntariam ao pedido que já possui de 388 unidades dos modelos A320neo e A321neo, incluindo a variante Extra Large Range (XLR), de acordo com um relato da agência Reuters.

A Wizz Air atravessa um bom momento. Tem sido uma das empresas com maior crescimento e recuperação em tempos de pandemia, criando uma subsidiária no Oriente Médio, mais de quinze novas bases e mais de 350 novas rotas desde junho de 2020 até hoje.

Conforme relata nosso parceiro Aviacionline, embora as mudanças progressivas no setor em face da crise da saúde também tenham trazido alguns percalços para o grupo, como o fechamento de suas bases em Oslo, Dortmund e Riga, por outro lado a Eurocontrol (empresa responsável pelo controle de tráfego aéreo da Europa) mostra que a empresa recuperou 94% de suas operações com uma média de 656 voos diários.

Outra situação positiva da expansão da Wizz é a possibilidade de ultrapassar o rival Ryanair Group, que paralisou a negociação com a Boeing para a compra de um número significativo de aeronaves Boeing 737 MAX.

Atualmente a companhia aérea húngara tem 141 aviões Airbus dos modelos A320ceo, A320neo, A321ceo e A321neo, e entre 2021 e 2027 serão incorporados 268 dos modelos A320neo, A321neo e A321XLR.

Murilo Basseto
Murilo Bassetohttp://aeroin.net
Formado em Engenharia Mecânica e com Pós-Graduação em Engenharia de Manutenção Aeronáutica, possui mais de 6 anos de experiência na área controle técnico de manutenção aeronáutica.

Veja outras histórias

Após aposentar turboélices, polonesa LOT recebe mais um jato Embraer

0
A companhia aérea de bandeira da Polônia, a LOT, recebeu o seu primeiro jato brasileiro Embraer após aposentar todos os seus turboélices.