Enorme invasão de pessoas em aeroporto africano é registrada por piloto de jato comercial

Receba essa e outras notícias em seu celular, clique para acessar o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

Reprodução do Twitter

O ex-presidente da Tanzânia, John Magufuli, 61, foi anunciado morto há alguns dias, após semanas longe das mídias, onde sempre teve presença assídua. Desde então, uma aura de mistério se instaurou em torno de sua morte, já que as causas não foram divulgadas por médicos.

Em vez disso, a linha oficial do governo é que ele morreu de insuficiência cardíaca na quarta-feira (17), enquanto o líder da oposição da Tanzânia afirma que ele morreu de coronavírus no início deste mês, citando “fontes confiáveis”. A disputa gira em torno de declarações do político, de viés negacionista, encorajando aglomerações e rejeitando a vacina, por exemplo.

Aspectos políticos de lado, na tarde de quinta (18), o corpo de Magufuli foi embarcado em um avião no Aeroporto Internacional Julius Nyerere, em Dar es Salaam, para ser levado para a capital da Tanzânia, Dodomo. Mas o caos irrompeu no aeroporto, com milhares de seguidores invadindo o pátio e trazendo riscos às aeronaves.

Numa tentativa de dar um último adeus, milhares de pessoas passar da cerca de segurança e invadir o aeroporto. Essa matéria compartilha alguns vídeos que mostram como elas se aproximam dos aviões.

Vemos o povo, às dúzias, se colocando em risco ao lado das aeronaves, que não veem outra alternativa senão ficarem imóveis. Ao que tudo indica, o corpo de Magufuli foi transportado no voo 108 da Air Tanzania, um Dash 8-400 com registro 5H-TCF.

Embora seja legítimo prestar seu adeus aos seus líderes, isso deve ser feito em áreas apropriadas e invadir o aeroporto não vai ajudar em nada, ao contrário, poderá colocar em risco as pessoas e os profissionais. De qualquer forma, nota-se como invadir um dos aeroportos mais importantes da Tanzânia pode ser tarefa fácil.

A cidade litorânea de Dar es Salaam é um dos destinos mais famosos da África e o aeroporto usado pela maioria das grandes empresas aéreas europeias e do Oriente Médio, de modo que uma invasão dessas proporções colocou em risco não apenas pequenas aeronaves, mas jatos repletos de passageiros.

O aeroporto ficou fechado durante a invasão. Até o momento, não houve outros incidentes reportados envolvendo as aeronaves ou os profissionais.

Carlos Ferreira
Managing Director - MBA em Finanças pela FGV-SP, estudioso de temas relacionados com a aviação e marketing aeronáutico há duas décadas. Grande vivência internacional e larga experiência em Data Analytics.

Veja outras histórias

Após 3 dias, outra mulher repete ação com edredons no aeroporto...

0
A situação registrada voltou a se repetir apenas três dias depois, de maneira idêntica, no mais movimentado aeroporto da América do Sul.