Enquanto todos criticam, Lufthansa acolhe a Boeing: ‘vai se recuperar’

Imagem: Lufthansa Cargo

Nos últimos anos, a Boeing tem vivenciado uma crise sem precedentes, em boa parte motivada por uma cultura corporativa tóxica, que levaram a empresa a perder bilhões de dólares, causaram dois acidentes trágicos com o 737 MAX e atrasaram projetos importantes. Como não poderia ser diferente, tudo isso combinado deixou muita gente irritada e “soltando o verbo” ao falar da gigante aeroespacial.

No entanto, tem gente que procura fazer uma política de boa vizinhança e tentar elevar o moral da fabricante americana. É o caso do CEO da Lufthansa, Carsten Spohr, que já andou reclamando da Boeing, mas, recentemente, tem adotado um discurso mais polido. Nesta semana, ele disse em entrevista que acredita piamente na recuperação da empresa, relata o site parceiro Aviacionline.

Ela “vai se recuperar” porque é um “símbolo da América”, disse o executivo, embora tenha acrescentado que “este é um bom momento para negociar preços” com o fabricante.

Spohr não parece estar errado: nesta mesma semana o IAG anunciou que iria em frente com a compra de 50 737 MAX e mais 100 opções, confirmando – embora com uma redução de 25% – uma carta de intenção assinada há alguns anos por 200 MAX .

A Lufthansa confirmou no início de maio um pedido que inclui 10 777-8F, 3 777F e sete 787 adicionais, modelo que está envolvido em polêmica e que, por enquanto, tem suas entregas suspensas.

A abordagem do operador alemão é, provavelmente, mais diplomática do que a da Ryanair, característica do estilo frontal de Michael O’Leary. Assim como a IAG, a Lufthansa decide se aproximar de um de seus fornecedores mais importantes, mas não perde a oportunidade de negociar preço em um momento em que o fabricante está bastante enfraquecido.

Carlos Ferreira
Carlos Ferreira
Managing Director - MBA em Finanças pela FGV-SP, estudioso de temas relacionados com a aviação e marketing aeronáutico há duas décadas. Grande vivência internacional e larga experiência em Data Analytics.

Veja outras histórias