Entenda por que este pequeno Falcon entrou atrás de um grande A350 em voo

Cena do vídeo que você assiste abaixo nesta matéria

Em um agradável dia de primavera, o céu era de um azul acolhedor enquanto um A350-900 deslizava por entre as nuvens brancas acima do sul da França. 

Então, de repente, uma aeronave menor sobe rapidamente à vista, assumindo posição logo atrás do A350. Conforme o jato comercial maior se movimenta no céu, seu companheiro menor espelha cada movimento, chegando a tão perto quanto 100 metros de distância. Segundo a Airbus, uma “dança aérea íntima que é raramente vista”.

As trajetórias de voo continuam por cerca de três horas, enquanto as duas aeronaves entram e saem das nuvens acima de Nice, Marselha e Córsega. Então, tão repentinamente quanto se juntaram no ar, os dois aviões se separam e voam em direções diferentes.

Pouco depois, o A350 pousa em Toulouse, França, no aeroporto de Blagnac. Um logotipo laranja brilhante, com a palavra “flightlab”, é claramente visível em sua cauda. Esta aeronave em particular é, na verdade, uma aeronave de teste da Airbus.

E o mais importante, ele acabava de concluir um voo de teste digno de nota como parte do projeto de Emissão e Impacto Climático de Combustíveis Alternativos (ECLIF3) liderado pela Airbus, juntamente com a Rolls-Royce, DLR, Neste, Universidade de Manchester e a Conselho Nacional de Pesquisa do Canadá.

Na verdade, este voo do A350 teve a distinção de ter operado ambos os seus motores a jato com 100% SAF (Combustível Sustentável de Aviação). Desta vez, o que mais interessa no voo são as emissões provenientes da aeronave. E é precisamente neste aspecto que entrou a aeronave menor de “perseguição”.

Capturando dados de emissões em voo

Uma aeronave de perseguição é aquela que segue outra no ar para fazer observações em tempo real, capturar imagens durante o voo ou coletar dados de engenharia. Esse tipo de teste em voo está em uso desde 1960, uma técnica desenvolvida pela NASA e pela Força Aérea dos Estados Unidos.

Para o projeto ECLIF3, o Dassault Falcon 20E-5 modificado do DLR (Laboratório de Pesquisa Alemão) desempenha o papel principal como a aeronave perseguidora. O Falcon pode transportar um total de 1.100 kg de instrumentos científicos dentro e fora da cabine, bem como sob as asas. É robusto e versátil, capaz de voar próximo a tempestades ou apenas 30 metros atrás de grnades e potentes jatos como o A350.

Apresentado pela primeira vez em 1976, o Falcon se tornou um veículo crucial para melhor compreender os efeitos das emissões das aeronaves em nossa atmosfera.  Agora, a missão do Falcon do DLR é medir as emissões de uma aeronave de teste A350 movida por motores Rolls-Royce Trent XWB alimentados com 100% SAF.

Ao contrário das misturas SAF já usadas hoje, este tipo não misturado não é misturado com nenhum combustível fóssil. Analisar seu comportamento e desempenho em cenários do mundo real é crucial para obter uma certificação futura. E o Falcon está equipado para fazer exatamente isso: suas múltiplas sondas e sensores podem capturar dados de emissões e alimentá-los em instrumentação científica de bordo para análise.

“Podemos testar os motores e o sistema de combustível no solo”, diz Mark Lewis, piloto de testes da Airbus. “Mas para reunir os dados de emissões necessários para que este programa seja bem-sucedido, só há uma maneira de fazer isso e é voar uma aeronave real em condições reais.”

Os primeiros resultados são promissores

Os testes em voo do A350 oferecem a vantagem de caracterizar as emissões diretas e indiretas do motor. Essas emissões incluem partículas, bem como rastos – nuvens de cristais de gelo – que podem se formar atrás de uma aeronave em grandes altitudes.

De acordo com Toby Wells, Chefe de Combustíveis do Futuro da Airbus, as observações preliminares do voo de teste com a aeronave Falcon de perseguição sugerem que o SAF puro pode ter um impacto positivo nas emissões da aeronave.

“Conforme previmos, as emissões de particulados da aeronave foram menores com o uso do SAF 100%”, diz ele. “Essas partículas desempenham um papel na formação de rastros, que contribuem para o impacto climático da aviação, por isso estamos satisfeitos por ter uma solução para lidar com essas emissões.”

Toby ressalta que ainda há muito mais dados a serem analisados ​​para obter um entendimento completo do desempenho de emissões do SAF não misturado com combustíveis fósseis. No entanto, os resultados iniciais são realmente muito promissores. Espera-se que as conclusões do estudo sejam publicadas pela primeira vez no final do próximo ano.

https://aeroin.net/primeiros-testes-de-voo-com-combustivel-saf-nos-2-motores-mostram-resultados-promissores/

Informações da Airbus

Murilo Basseto
Murilo Bassetohttp://aeroin.net
Formado em Engenharia Mecânica e com Pós-Graduação em Engenharia de Manutenção Aeronáutica, possui mais de 6 anos de experiência na área controle técnico de manutenção aeronáutica.

Veja outras histórias

Acionistas da Latam aprovam plano de reorganização em novo passo rumo...

0
Acionistas da Latam Airlines concordaram com a aprovação do plano de reorganização da empresa na terça-feira (5), dando continuidade