Início Aeroportos

Está em discussão a abertura do 1º aeroporto israelense-palestino da história, em Jerusalém

Projeto do aeroporto de Atarot.

Há muitos anos, o aeroporto de Atarot, na cidade de Jerusalém, é alvo de uma ferrenha disputa entre israelenses e palestinos. Apesar de estar fechado há vários anos, o usufruto do terreno é que está em jogo. Enquanto israelenses nutriam planos de construir um novo bairro judeu na área, palestinos queriam o aeroporto funcionando e sob sua administração.

Eis que, após tanto tempo de discussão e muita controvérsia, os planos podem ser abruptamente alinhados. Reconhecendo a saturação do aeroporto Ben Gurion, em Tel Aviv, e vendo oportunidades econômicas, o ministro árabe-israelense Esawi Frej tomou a inédita direção de propor reconstruir o aeroporto Atarot para que sirva tanto a israelenses quanto a palestinos.

À medida que as necessidades de aviação de Israel aumentam, com o Aeroporto Ben Gurion muito perto de seu limite de capacidade, e como a decisão sobre a localização do aeroporto adicional de Israel continua demorando, o recurso existente de um campo de aviação pronto em Atarot deve ser utilizado e reaberto como um conjunto israelense e palestino. A reconstrução do campo e sua inauguração atenderão às necessidades de aviação da área metropolitana de Jerusalém, bem como à necessidade dos palestinos de um portão de entrada e saída do ar”, disse Frej ao Al-Monitor.

Um projeto chegou até a ser desenhado, como mostra a imagem acima.

O campo de aviação em Jerusalém ocidental hoje está abandonado. Ele foi construído pelos britânicos durante o período em que estiveram na região, quase um século atrás. Israel queria convertê-lo em um aeroporto internacional desde que foi anexado após a Guerra dos Seis Dias de 1967, mas nenhuma companhia aérea internacional concordou em voar para lá. Como resultado, foi usado exclusivamente para voos internos até ser totalmente fechado em 2000, na segunda intifada. 

Por sua vez, os palestinos não contam com um aeroporto, mas dependem dos terminais jordanianos para entrar e sair dos territórios palestinos. Como alternativa, eles podem obter permissão especial para voar dentro e fora do país por meio do Aeroporto Ben Gurion de Israel.

O destino do local ainda passará por muita discussão, com grupos favoráveis e contrários travando um embate pelo que deverá ser o futuro do aeroporto. Enquanto grupos de esquerda apoiam a ideia, os de direita são contrários e creem que o bairro judeu seria a melhor saída, visando atrair mais judeus para Jerusalém e, assim, judaizar a região, que tem visto um crescimento na quantidade de árabes residentes.

Sair da versão mobile