Início Indústria Aeronáutica

Fabricante dos motores do maior avião do mundo não poderá ser vendida para a China

Receba essa e outras notícias em seu celular, clique para acessar o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

O presidente da Ucrânia assinou sanções que impedem que a fabricante dos motores do maior avião do mundo, o Antonov An-225, seja vendida para a China.

A fabricante em questão é a Motor Sich que, assim como a Antonov, é uma empresa de origem soviética, mas hoje pertence à Ucrânia. Essa indústria é responsável pela fabricação de alguns dos motores de aviação emblemáticos do mundo, como os Progress D-18T, que equipam os gigantes Antonov An-124 e An-225, os maiores jatos de carga do mundo.

Após o rompimento diplomático da Ucrânia e da Rússia, que envolveu a Guerra da Crimeia, a Motor Sich ficou sem poder fornecer os motores para companhias russas, como a Volga Dnepr.

Com problemas financeiros, a empresa teve suas ações compradas pouco a pouco pelos chineses, segundo reporta o portal Aero Time. A empresa chinesa Skyrizon tem tentado desde então aumentar essa fatia para ser a controladora, mas em todas as vezes foi barrada pelo governo ucraniano.

As investidas chinesas foram tão grandes que o assunto chegou até os EUA, quando o então Secretário de Estado, Mike Pompeo, afirmou publicamente sua preocupação “sobre a República Popular da China investir na Ucrânia, incluindo os esforços de Pequim em comprar a Motor Sich”.

Motor D-18T instalado num An-124 – Igor Bubin

Com a saída do chefe de Pompeo, Donald Trump, a China pensou que estaria livre para comprar a companhia e tentou novamente, no entanto, o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky se mantém fiel ao seu discurso e quer manter distância da China.

“Nós temos o direito de não vender o controle de empresas estratégicas de defesa da Ucrânia para outro país. Isto não acontecerá no meu mandato”, afirmou Zelensky em entrevista para a HBO.

A Motor Sich também fabrica motores de foguete e por isso tem forte apelo para o setor de defesa. Os investidores chineses informaram que irão recorrer da decisão do presidente ucraniano.

Os EUA, por sua parte, já na “saideira” do mandato de Trump, colocaram sanções contra a Skyrizon e outras empresas chinesas, incluindo a fabricante de aviões COMAC. Caso a Ucrânia deseje evitar sanções americanas, deve se abster de fazer negócios com as empresas listadas em bases de dados de sanções.

Fascinado por aviões desde 1999, se formou em Aeronáutica estudando na Cal State Long Beach e Western Michigan University. Atualmente é Editor-Chefe no AEROIN, Piloto de Avião, membro da AOPA, com passagem pela Avianca Brasil. #GoBroncos #GoBeach #2A
Sair da versão mobile