Falha grave de segurança faz passageiro embarcar em voo com arma oculta no bolso da calça

Avião Airbus A319 American Airlines
Imagem: Anna Zvereva / CC BY-SA 2.0, via Wikimedia

Um homem voou numa aeronave da American Airlines de Bridgetown, em Barbados, para Miami, levando consigo uma arma de fogo carregada na cabine do avião, de acordo com o The Washington Post. A Administração de Segurança de Transporte (TSA) está investigando a violação.  

O passageiro, identificado como Cameron Hinds, foi parado em um posto de triagem da TSA no Aeroporto Internacional de Miami. A polícia de Miami-Dade disse que a arma de Hinds estava carregada com cartuchos de calibre 32 e que ele admitiu ter embarcado no avião com a arma oculta no bolso da calça.

A TSA notificou as autoridades em Barbados sobre o erro grave de segurança. No entanto, por ser crime voar nos EUA portando uma arma, o passageiro acabou preso e levado em custódia, até que passe por uma audiência no tribunal na próxima sexta-feira.

De fato, trata-se de um erro bastante grave, uma vez que um passageiro com intenções más poderia causar o caos a bordo e tentar sequestrar a aeronave, levando a uma tragédia. Os atentados terroristas de 11 de setembro foram o marco principal da colocação de mais barreiras de segurança nos aeroportos.

Enquanto os Estados Unidos possuem processos de triagem robustos, que mitigam em muito os riscos de pessoas embarcarem armadas, voos de entrada provenientes de outros lugares confiam nos controles implementados pelas autoridades locais.

Existem fiscalizações periódicas da TSA nos aeroportos de origem dos voos aos EUA, mas ela não é feita diariamente, por motivos de soberania dos países, custos e logística. Caso a TSA identifique alguma brecha de segurança, ela emite um comunicado pedindo a suspensão dos voos de e para tal lugar.

Carlos Ferreira
Managing Director - MBA em Finanças pela FGV-SP, estudioso de temas relacionados com a aviação e marketing aeronáutico há duas décadas. Grande vivência internacional e larga experiência em Data Analytics.

Veja outras histórias