Família de vítima de avião desaparecido quer continuidade nas buscas

As buscas pelo bimotor Seneca que caiu no mar, no litoral do Rio de Janeiro, ainda se mostraram infrutíferas e as famílias cobram prosseguimento na atuação do estado.

Imagem: Pedro Bonatto

De matrícula PP-WRS, o avião da foto acima é um Piper Seneca, bimotor mais popular no Brasil e bastante utilizado na aviação executiva. Das três pessoas a bordo, uma já teve o corpo encontrado, Gustavo Calçado Carneiro, um dos pilotos do avião. No entanto, Ainda não foram encontrados o proprietário da aeronave, José Porfírio de Brito Júnior, e Sérgio Alves Dias Filho, empresário que estava como passageiro no avião.

A namorada e a mãe de Brito Junior têm cobrado nas redes sociais para que sejam usados mais recursos nas buscas, e isso tem gerado engajamento para que as autoridades sejam cobradas. A hashtag #AchemOAvião tem sido bastante utilizada nas redes sociais, principalmente nas publicações da Força Aérea Brasileira e da Marinha do Brasil.

A Força Aérea Brasileira divulgou ontem um balanço da operação, que já passava das 44 horas de duração e mobilizou um avião cargueiro militar Lockheed C-130 Hércules, o helicóptero Airbus H-36 Caracal e o Sikorsky UH-60 Blackhawk.

A área de busca está concentrada na região entre Ubatuba e Paraty, bem na divisa dos estados de São Paulo e Rio de Janeiro. A estratégia foi baseada na última posição conhecida da aeronave.

Em nota oficial, a Marinha do Brasil informou que “é solidária ao momento crítico vivenciado e mantém os familiares diretos de cada tripulante informados sobre o andamento das buscas. Com o propósito de obter mais informações que possam auxiliar, o Salvamar Sudeste, estrutura orgânica responsável por Operações de Busca e Salvamento (SAR) nesta região, emitiu Aviso aos Navegantes, dando ampla divulgação por Rádio, com o objetivo de alertar e solicitar apoio a todas as embarcações nas áreas próximas.”

Até o momento, nem os Bombeiros de SP e RJ, nem as Forças Armadas, informaram até quando as buscas irão se estender e se serão empregados novos meios para realizá-la.

Carlos Martins
Fascinado por aviões desde 1999, se formou em Aeronáutica estudando na Cal State Long Beach e Western Michigan University. Atualmente é Editor-Chefe no AEROIN, Piloto de Avião, membro da AOPA, com passagem pela Avianca Brasil. #GoBroncos #GoBeach #2A

Veja outras histórias