Fotos: O que rolou na Labace 2022, que aconteceu no aeroporto de Congonhas (SP)

O AEROIN esteve presente na 17ª edição da Labace (Annual Latin American Business Aviation Conference & Exibition) que foi concluída na quinta-feira, dia 11, no aeroporto de Congonhas, em São Paulo. O evento marcou a retomada dos encontros presenciais e contou com diversos expositores, desde fabricantes, como Airbus, Embraer, Boeing, Cessna, até outras empresas dos mais diversos setores ligados ao ecossistema da aviação.

Abaixo, estão algumas imagens e informações dos principais estandes para contar um pouco, e de maneira visual, as atrações e negócios exibidos. Lembrando que ao longo dos últimos dias, o AEROIN fez uma série de outras publicações com detalhes das aeronaves expostas e das marcas.

Embraer

Uma das mais famosas e importantes empresas da indústria aeronáutica do mundo, a brasileira Embraer marcou presença com um grande espaço de reuniões e coquetel, à disposição dos seus clientes e dos vencedores.

À exposição estavam o Preator 600 e o Phenom 300E, o primeiro jato single-pilot a atingir a velocidade de Mach 0,80 e a primeira e única aeronave executiva a ter um sistema de alerta e prevenção de saídas de pista.

Phenom 300E da Embraer
Preator 600 da Embraer

Airbus

Nesta edição, a francesa Airbus marcou presença na LABACE juntamente com a Helibras, e teve seu foco na exposição dos helicópteros ACH-130 e ACH-145.

ACH-130 da Helibras
ACH145 Mercedes-Benz Style Edition da Helibras

Cirrus Aircraft

Um dos destaques da feira foi o espaço da Cirrus Aircraft, que nesta edição marcou presença com o Cirrus Vision Jet G2 Plus. O jato level tem um sistema baseado em inteligência artificial a bordo, que permite realizar pousos emergenciais com o acionamento de apenas um botão.

Visitamos a aeronave que tem capacidade para até cinco pessoas e mostramos um pouco por dentro.

Cirrus Vision Jet G2 Plus

Amaro Aviation

Todos que entram no evento, conseguem perceber de cara o tapete vermelho e o espaço da Amaro Aviation, empresa da família do Cmte. Rolim Amaro (1942-2001), fundador da extinta TAM Linhas Aéreas. A empresa teve como destaque seu Pilatus PC-24 que realiza voos pelo país desde 2021.

Pilatus PC-24

TAM, Textron e Bell

A TAM Aviação Executiva, empresa que nesse ano comemora 60 anos de existência, esteve presente no evento com um grande espaço, junto a Textron Aviation, fabricante do Cessna, Beechcraft, a Bell, uma das principais empresas de helicópteros do mundo, e a empresa FlightSafety Internacional. Todas essas empresas estrangeiras são representadas pela TAM no Brasil.

Como adiantado pelo AEROIN, além de diversas aeronaves das fabricantes citadas, o destaque da empresa foi a exposição de duas aeronaves que pertenceram e foram comandadas por Rolim Amaro, fundador da TAM: o Cessna 195 e o Cessna 180-F.

Cessna 195
Cessna 180-F
Helicóptero Bell 505
Cessna Citation M2 da TAM Aviação Executiva

Gulfstream

A Gulfstream, empresa aeroespacial norte-americana, apresentou ao mercado brasileiro os jatos executivos Gulfstream G500 e G650ER, dois equipamentos de alto luxo. O G650ER é o atual avião usado pelo bilionário Elon Musk.

Gulfstream G650ER

Líder Aviação

Uma das pioneiras na avição executiva no Brasil, a Líder levou até a Labace o tecnológico Honda HA-420 HondaJet, a aeronave mais entregue no mundo em sua categoria (VLJ – Very Light Jet) pelo quinto ano consecutivo.

Alguns stands

Outras empresas da indústria aeronáutica e do ramo da aviação, como a Boeing, Dassault Aviation, airbp, BR Aviation, Shell, GoodYear, Líder Aviação, entre outras, marcaram presença no evento, principalmente nos halls de estandes, localizados nos antigos hangares da VASP, como se pode ver a seguir.

Leia também:

Arthur Gimenes Prado
Arthur Gimenes Prado
Estudante do Ensino Médio, foi repórter na TV Cultura Paulista e Rádio Morada do Sol FM, também com passagem como colunista no Portal do Andreoli e participações especiais na Record News, Rádio CBN e EPTV.

Veja outras histórias

Pedaços de metal são deixados na pista de Congonhas por Boeing...

0
Um problema de motor nessa manhã de sábado deixou a pista principal do Aeroporto de Congonhas fora de operação por mais de uma hora e meia.