GOL apoia as mulheres no comando.

tripulacaofemininagol

As mulheres estão conquistando cada vez mais espaço no mercado de trabalho. Inúmeras profissões que antes eram exercidas exclusivamente por homens, hoje têm representantes de ambos os gêneros. E na aviação, não poderia ser diferente.

Quem pensa que para se tornar piloto de avião é necessário ter força física pode estar equivocado. A profissão de comandante é técnica e, além da paixão por voar, exige gerenciamento, muito estudo e responsabilidade. Afinal, são vários fatores que podem influenciar uma viagem aérea, começando pelo conhecimento da aeronave, da rota e das variações climáticas. Por isso, apesar de ser um ambiente predominantemente masculino, as mulheres são excelentes no comando dos aviões.

A GOL sabe e valoriza isso. Atual integrante do time de pilotos da GOL, a comandante Fernanda Prieto entrou na companhia em 2005 e, desde então, a empresa soma em seu Time de Águias 32 pilotos mulheres, das quais 7 são comandantes e 25 copilotos. Além disso, na GOL, 1956 são comissárias de bordo ou chefes de cabine, representando 61% da função. “É um cargo favorável às mulheres, porque exige muito gerenciamento. Fazemos muitas coisas ao mesmo tempo”, ressalta Fernanda.

O processo para iniciar uma carreira como piloto de avião não é fácil tanto para homens, como para mulheres. Futuras comandantes também devem realizar testes técnicos e práticos, passar por avaliações médicas e voar cerca de 150 horas para receberem certificado concedido pela ANAC. E isso é só o começo de muito estudo e dedicação, pois, na aviação, uma coisa é certa, seja para homens ou mulheres, tudo é exatamente igual, da pressão às responsabilidades.

“Somos muito gratos por todas as mulheres que escolheram a GOL para trabalhar. Temos profissionais muito competentes, sensíveis e que proporcionam aos nossos clientes a melhor experiência em voar”, comenta Carlos Junqueira, diretor de Operações da GOL. Para reforçar a igualdade de gêneros na companhia, o executivo ressalta que os “colaboradores que ocupam cargos iguais recebam o mesmo tratamento, independente de gênero, tanto nas funções como no salário”.

Carlos Ferreira
Carlos Ferreira
Managing Director - MBA em Finanças pela FGV-SP, estudioso de temas relacionados com a aviação e marketing aeronáutico há duas décadas. Grande vivência internacional e larga experiência em Data Analytics.

Veja outras histórias

Em meio à luta contra a Prefeitura, Aeroclube de Pirassununga (SP)...

0
Celebrando mais um ano de operação, o Aeroclube de Pirassununga (ACP) lembra que em 22 de setembro de 1942, o então Prefeito Municipal