Início Empresas Aéreas

Gol inaugura o voo 1492, uma rota inédita e a segunda 100% carbono neutro do Brasil

O voo G3-1492, que partiu de Congonhas às 12h40 e aterrissou em Bonito às 13h40 (horário local) na tarde desta quinta-feira (2/12), representa muito mais do que um voo inaugural sem escalas para o mais novo destino da GOL Linhas Aéreas no Mato Grosso do Sul, a inauguração de um trecho inédito na aviação comercial brasileira e um passo relevante na expansão regional da companhia: nasce, portanto, a segunda rota 100% carbono neutro do Brasil.

Em foco estão a preservação do espaço aéreo e do ambiente que envolve os aeroportos em questão e o combate às mudanças climáticas que tanto ameaçam a vida na Terra – um alinhamento da GOL, companhia cada vez mais empenhada em se tornar uma referência em aviação sustentável no País, com o turismo responsável legitimado em Bonito, paraíso do ecoturismo e de belezas naturais e polo gerador de riquezas no Mato Grosso do Sul.

Em mais uma parceria da GOL com a climatech MOSS, uma das maiores plataformas ambientais de créditos de carbono do mundo, ambas as empresas doam a todos os Clientes e à tripulação presentes nos voos da rota Congonhas-Bonito-Congonhas a compensação individual da pegada carbônica deixada pelas viagens, neutralizando as emissões totais de carbono nos dois trechos – com direito a certificado. A primeira rota 100% carbono neutro no Brasil nasceu em 1º setembro deste ano, Recife-Fernando de Noronha-Recife, também uma parceria GOL e MOSS.

Dentro da aeronave, os clientes receberam a edição mais recente da revista GOL, embalada individualmente com um sachê de álcool em gel da marca Giovanna Baby, e um nécessaire oferecido pela Phytoervas e customizado pela artista plástica indígena Beni Kadiwéu, do Mato Grosso do Sul, com uma seleção de produtos ecologicamente responsáveis para os cuidados pessoais.

No desembarque, todos ganharam o certificado de compensação de carbono do voo G3-1492 impresso em papel semente – um estímulo ao plantio. Foi abolido o tradicional batismo da aeronave em seu pouso primordial no destino, em prol da preservação dos recursos hídricos.

Nunca houve voos regulares comerciais entre São Paulo e Bonito, o que agora é realidade.

São duas frequências semanais de ida e volta, sem escalas, às quintas e aos domingos. Em Congonhas, a decolagem acontece às 12h40, e a aterrissagem no Aeroporto Regional de Bonito, às 13h40. A saída do novo destino (voo G3 1493) se dá às 14h20, com pouso na capital paulista às 17h15. Os voos são operados com o jato Boeing 737-700, com capacidade para 138 passageiros.

Carbono neutro, uma responsabilidade compartilhada

Desde o dia 5 de junho de 2021, os Clientes da GOL podem, voluntariamente, compensar a emissão de carbono de seus voos, uma possibilidade estabelecida pela Companhia com ineditismo na América Latina, com a colaboração da MOSS. À iniciativa e à campanha, a GOL deu o nome de #MeuVooCompensa. A compensação em voos nacionais e internacionais é realizada por meio do MCO2, primeiro token verde totalmente global lastreado em blockchain, que foi criado pela MOSS para neutralizar a emissão de CO2 a partir do apoio a projetos ambientais certificados com atuação na Amazônia.

O investimento da GOL e MOSS no carbono neutro na cidade de Bonito acende a discussão sobre a responsabilidade compartilhada: mitigar o impacto dos voos nas mudanças climáticas globais deve ser uma preocupação não só das companhias aéreas, mas de cada pessoa que utiliza o serviço.

Ao comprarem os bilhetes Congonhas-Bonito-Congonhas, todos os passageiros terão o direito de resgatar com a MOSS o certificado de créditos de carbono já compensados relativos aos seus voos, com o acréscimo de um convite para, se for do interesse do Cliente, comprar o MCO2 para neutralizar as demais rotas que compõem sua viagem. É muito barato fazer a parte que nos cabe, compensando trechos já voados, voos atuais e até futuros. Para o trecho São Paulo-Rio de Janeiro, R﹩ 2,38. De Brasília ao Rio de Janeiro, R﹩ 5,94. De São Paulo à Bahia, R﹩ 7,13. E, mesmo em trajeto mais longo, como de Porto Alegre a Manaus, apenas R﹩ 20,43.

Sair da versão mobile