Governo americano prestes a revelar se OVNIs compartilham o céu com os aviões

Receba essa e outras notícias em seu celular, clique para acessar o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

view from window seat
Foto de Francesco Ungaro via Pexels.com

Um projeto de lei relacionado com a Covid, aprovado em dezembro no Congresso Americano, incluía uma exigência não usual, mas que foi aceita: a de que a comunidade de inteligência dos Estados Unidos produzisse um relatório dentro de 180 dias “que não seria classificado” (não restrito), compartilhando o que sabe sobre OVNIs.

A divulgação vem sendo esperada com ansiedade por curiosos e aviadores, já que se trata de uma quebra de paradigma sem precedentes, pois são muitos os relatos de fenômenos inexplicáveis nos céus. Obviamente, é maior a chance de que eles estejam associados a causas naturais, mas há quem afirme categoricamente tratar-se de vida inteligente de outros planetas.

Em entrevista recente à Fox News, o ex-Diretor de Inteligência Nacional, John Ratcliffe, disse que há “alguns” incidentes que são “difíceis de explicar”, objetos “excedendo a barreira do som sem um estrondo sônico”. E, em alguns casos, “não temos boas explicações” para o que vimos “em todo o mundo”. Veja a entrevista abaixo.

O ex-líder da maioria no Senado, Harry Reid, diz que o governo vem escondendo detalhes dos OVNIs há anos. O ex-diretor da CIA John Brennan acha que pode haver vida em outros planetas também. 

O que será que vem por aí? Será que a verdade está lá fora? O prazo de 180 dias já está na metade.

Carlos Ferreira
Carlos Ferreira
Managing Director - MBA em Finanças pela FGV-SP, estudioso de temas relacionados com a aviação e marketing aeronáutico há duas décadas. Grande vivência internacional e larga experiência em Data Analytics.

Veja outras histórias

Está liberado para receber voos internacionais cargueiros o Aeroporto de Maringá

0
Após o maior investimento entre todos os regionais, o Aeroporto de Maringá está autorizado a operar voos cargueiros de/para fora do Brasil.