Governo Federal concluiu obras para reduzir riscos nas descidas e subidas de aviões em Belém

Imagem: Google Maps

O Governo Federal, por meio do Ministério da Infraestrutura (MInfra) e da Infraero, concluiu as melhorias previstas para reduzir riscos durante descidas e subidas de aeronaves no local. Foram investidos mais de R$ 76,7 milhões em obras de recuperação de pavimento, adequação da faixa de pista e alargamento de taxiways.

Os recursos públicos aplicados são provenientes do Fundo Nacional de Aviação Civil (Fnac). Trata-se de investimento prioritário do MInfra no desenvolvimento da aviação regional no país. O objetivo é promover a integração nacional por meio da oferta de transporte aéreo seguro à população de áreas distantes do país, onde, muitas vezes, outros meios de transporte não chegam.

Iniciada em 6 de julho de 2020, a obra de adequação da faixa de pista 6/24 e de alargamento das taxyways C e D do terminal foram concluídas em novembro, após 486 dias de trabalhos coordenados pela Infraero. A obra teve por objetivo aumentar a segurança operacional dos pousos e decolagens, reduzindo possíveis prejuízos a aeronaves, passageiros e tripulantes em caso de algum avião derrapar para a lateral da pista. O investimento, nessa etapa, foi de R$ 16.200.112,76.

Resas

Já a etapa 2 de recuperação do sistema de pistas teve duração de 713 dias, sendo executado entre setembro de 2019 e agosto de 2021, com investimento de mais R$ 60.533.332,52 do Fnac. As equipes trabalharam da renovação da capa asfáltica em toda a extensão da pista de pouso e decolagem, além de execução de grooving – ranhuras na pista para garantir o adequado escoamento de água – e de nova sinalização horizontal.

Nas cabeceiras 6 e 24, foram implantadas zonas de segurança de fim de pista, as chamadas Resas, e áreas de giro mais próximas entre si. A iluminação noturna também passou por modernização, com aplicação de tecnologia em LED e circuitos duplos.

Assim, o terminal aéreo de Belém está adequado às normas de segurança nacionais e internacionais para receber voos noturnos, e ganha em eficiência na operação e na movimentação de aeronaves.

Informações do Ministério da Infraestrutura

Carlos Ferreira
Managing Director - MBA em Finanças pela FGV-SP, estudioso de temas relacionados com a aviação e marketing aeronáutico há duas décadas. Grande vivência internacional e larga experiência em Data Analytics.

Veja outras histórias

Com 189 a bordo, dados errados fizeram o avião decolar no...

0
Após a corrida de decolagem, a aeronave deixou o solo apenas no final da pista e cruzou a cabeceira oposta a uma altura de 28 pés.