Helicópteros de forças especiais dos EUA são vistos no México após ataques

Ainda sob a tensão do ataque do Cartel de Sinaloa, que atingiu inclusive aviões comerciais, os EUA já estão presentes com forças especiais e seus helicópteros.

Divulgação – US Army SOC

As aeronaves Sikorsky MH-60 Blackhawk foram avistadas hoje na Cidade do México transportando pessoal com roupas civis de pernas para fora, uma cena comum nas operações especiais.

Os dois helicópteros são do 160th Special Operations Aviation Regiment, conhecido como Night Stalkers, ou Perseguidores Noturnos, já que são a única divisão de helicópteros das forças especiais dos EUA, sendo responsável por transportar todas as tropas do Comando Conjunto Especial (USSOCOM).

Inclusive, este mesmo regimento já esteve no Brasil por diversas ocasiões, sendo a última em 2019 para treinamento conjunto com a Polícia Federal em Brasília:

Mas a fama dos Night Stalkers vem de uma tragédia: a Batalha de Mogadíscio, na Somália, em 1993. Neste confronto, dois helicópteros Blackhawk do 160th e 5 militares do regimento foram perdidos e a batalha ficou eternizada com o filme “Falcão Negro em Perigo”.

A presença deles no México não está diretamente relacionada com o ataque do Cartel de Sinaloa, mas sim com a visita do Presidente Biden em algumas semanas ao país. Mas o fato deles voarem de dia, algo incomum em missões reais, chamou a atenção na internet e muitos apontaram para o fato de demonstração de presença, como uma maneira de amedrontar os narcotraficantes, já que o 160th está presente junto de outras forças especiais além da CIA, e poderiam retaliar livremente qualquer ameaça.

Carlos Martins
Carlos Martins
Fascinado por aviões desde 1999, se formou em Aeronáutica estudando na Cal State Long Beach e Western Michigan University. Atualmente é Editor-Chefe no AEROIN, Piloto de Avião, membro da AOPA, com passagem pela Avianca Brasil. #GoBroncos #GoBeach #2A

Veja outras histórias

Empresa aérea que voa para o Brasil é sancionada após transportar...

0
O Departamento do Tesouro dos Estados Unidos, através do Escritório de Controle de Ativos Estrangeiros (OFAC) atualizou sua lista de sanções