Homem perde o emprego após urinar em passageira idosa durante voo na classe executiva

Imagem: Alec Wilson / CC BY-SA 2.0, via Flickr

Um banco americano demitiu um de seus empregados, depois que ele foi acusado de urinar em outra passageira a bordo da classe executiva de um voo da Air India entre Nova Iorque e Nova Délhi. Segundo uma reportagem do The News York Times, o caso foi registrado em novembro de 2022 e o Banco Wells Fargo disse que o funcionário mora na Índia.

A mídia americana destaca que a Air India foi criticada pela sua postura, em meio a alegações de que a companhia aérea só iniciou uma investigação depois que a vítima abordou um dos jornais mais lidos da Índia para compartilhar sua história. Até o início desta semana, aérea havia oferecido à mulher um humilde pedido de desculpas.

A vítima, uma idosa, contou como o seu colega de assento se aproximou logo após o término da primeira refeição e abriu o zíper da calça antes de urinar sobre ele e ao redor. O ofensor parecia estar completamente embriagado.

Depois do ato, a mulher afirma que seus pertences e assento ficaram saturados de urina, mas os comissários de bordo não tomaram nenhuma atitude contra o homem. Como a cabine da Classe Executiva estava cheia, ela ainda teve que continuar em seu assento, agora coberto com cobertores, apesar do cheiro de urina ainda pairando no ar.

Diante dos relatos, a polícia indiana iniciou uma investigação, que culminou na identificação do infrator e seu despedimento do banco em que atuava. A companhia aérea foi criticada e deverá responder sobre o porquê de seus tripulantes não terem relatado o incidente após o voo.

Carlos Ferreira
Carlos Ferreira
Managing Director - MBA em Finanças pela FGV-SP, estudioso de temas relacionados com a aviação e marketing aeronáutico há duas décadas. Grande vivência internacional e larga experiência em Data Analytics.

Veja outras histórias

Banda Imagine Dragons grava apelo a passageiros de voos da aérea...

0
Em novembro, a SkyUp Airlines lançou o primeiro avião com a marca UNITED24, do governo ucraniano, cujo objetivo é lembrar o mundo