IAG espera ter 20% da Air Europa ‘em mais alguns meses’, mas quer 100%

Foto de Bene Riobó, CC BY-SA 4.0, via Wikimedia

O International Airlines Group (IAG) informou, durante uma apresentação de seus resultados trimestrais, que o empréstimo disponibilizado à Air Europa em março, no valor de 100 milhões de euros, deve se transformar numa participação de 20% da empresa tomadora dos recursos em um horizonte de “alguns meses”. Essa é a expectativa do CEO do IAG, Luis Gallego.

O acordo entre os dois grupos prevê um ano de exclusividade em prol do IAG, que poderia exercer a opção de conversão das ações, condicionadas, no entanto, à aprovações das autoridades espanholas de concorrência. O IAG tentou comprar a Air Europa antes da pandemia, mas com a Covid-19, a crise do setor e as recorrentes ajudas do governo espanhol à empresa aérea, o projeto foi suspenso.

Além de toda a complexidade do negócio, ainda há uma forte oposição à compra da Air Europa pelo IAG, por parte de algumas vertentes de pensamento, que temem uma concentração do mercado nas mãos de uma única empresa. O CEO do IAG, no entanto, entene que esse risco está mitigado.

“Este não será um processo muito complexo, para ser honesto, porque o nível de sobreposição nos países em que estamos trabalhando não é muito alto. Portanto, estamos muito confiantes de que teremos esses 20% da empresa”, declarou Gallego.

“O objetivo é chegar ao controle total da empresa porque é a forma de capturar as sinergias, para desenvolver um hub em Madri, mais oportunidades para o cliente, nossa rede, etc”, concluiu, deixando claro que o foco é no controle total e não apenas nos 20%.

Carlos Ferreira
Carlos Ferreira
Managing Director - MBA em Finanças pela FGV-SP, estudioso de temas relacionados com a aviação e marketing aeronáutico há duas décadas. Grande vivência internacional e larga experiência em Data Analytics.

Veja outras histórias

Após Emirates abandonar país africano, político afirma: “Ela é muito cara...

0
A saída conturbada da Emirates de um país africano levou ao desdém de um antigo político, que afirmou que a empresa árabe não fará falta.