IATA faz mesa redonda com líderes da indústria sobre a sustentabilidade no setor aéreo

Imagem: Boeing

Em cooperação com a Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA) e a Boeing, as companhias aéreas das Américas estão operando voos movidos a combustíveis sustentáveis de aviação ​​(SAF) para demonstrar seu compromisso de alcançar emissões líquidas de carbono zero até 2050.

Juntamente com a Boeing, as companhias Aeromexico, Alaska Airlines, American Airlines, Copa Airlines, Delta Airlines, United Airlines e Westjet estão comprando 100.000 galões (379.000 litros) de SAF para voos comerciais partindo do Aeroporto Internacional de Los Angeles durante a IX Cúpula das Américas, reduzindo as emissões em 472.500 libras (214.300 quilos) de CO2.

O combustível está sendo fornecido pela World Energy, fornecedora de soluções de baixo carbono com sede em Los Angeles.

Além disso, a IATA está hoje convocando líderes e especialistas do setor para uma mesa redonda sobre sustentabilidade em Los Angeles. Em alinhamento com o tema da Cúpula “Construindo um futuro sustentável, resiliente e equitativo, dois tópicos principais estão na agenda – “O caminho para o Net Zero – e como chegamos lá?” e “Perspectivas de políticas para uma transição energética eficaz e Comercialização de Combustível Sustentável de Aviação (SAF)”.

A indústria global de transporte aéreo adotou em outubro de 2021 a meta de atingir emissões líquidas de carbono zero até 2050. Atingir isso exigirá uma combinação de eliminação máxima de emissões na fonte, compensação de carbono, novas aeronaves e tecnologias de motores radicais e tecnologias de captura de carbono.

O SAF pode representar até 65% do caminho de redução de emissões estabelecido pela indústria, destacando a importância vital da produção e uso do SAF. Isso exigirá um aumento maciço na produção para atender à demanda, pois o SAF não é desenvolvido comercialmente na maioria dos países ou é produzido em pequena escala nas Américas. Em todo o mundo, a demanda da indústria de aviação por SAF atingirá 330-445 milhões de toneladas até 2050.

Já existe um impulso entre as companhias aéreas, fabricantes de aviões, produtores de combustível e ONGs parceiras para trabalhar coletivamente para atingir as metas de zero líquido. No entanto, a IATA ressalta que o apoio governamental é essencial para desenvolver políticas que acelerem com eficiência a produção comercial e a implantação do SAF.

Informações da IATA

Murilo Bassetohttp://aeroin.net
Formado em Engenharia Mecânica e com Pós-Graduação em Engenharia de Manutenção Aeronáutica, possui mais de 6 anos de experiência na área controle técnico de manutenção aeronáutica.

Veja outras histórias